Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Ataque de fúria

Durante espera por atendimento, mulher destrói computadores de unidade de saúde de Rolândia

Guilherme Marconi - Grupo Folha
18 abr 2024 às 13:42
- Prefeitura de Rolândia/divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Após desacato e momento de fúria, a Secretaria Municipal de Saúde de Rolândia emitiu um comunicado para esclarecer um ataque de ira de uma mulher que levou sua filha de dois anos para o Pronto Atendimento (PA) 24 horas da Vila Oliveira.  Alegando demora no tempo de atendimento, a mãe desacatou servidores com agressões verbais e derrubou três computadores da recepção da unidade.


Segundo dados da secretaria de saúde, a ficha de atendimento da criança de 2 anos foi aberta às 21h09 de quarta-feira. Em virtude de quadro febril, após triagem, às 21h14, foi encaminhada para observação para aguardar o atendimento médico.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A secretária de saúde de Rolândia, Erika Ludvig, explica que atendimento foi feito dentro do protocolo municipal, mas durante esse período de espera, a mãe da criança, de forma abrupta, cometeu o ataque de fúria com agressões verbais contra os servidores e derrubou computadores da recepção do PA. "A triagem a classificou como amarela e a mãe e a criança estavam aguardando a criança na área de observação, mas ela foi à recepção bastante altera, colocou a criança no colo de familiares e começou a quebrar a recepção."

Leia mais:

Imagem de destaque
Referência nacional

Enfermeiro de Rolândia é convocado a prestar atendimentos a vítimas no Rio Grande do Sul

Imagem de destaque
Projeto "Parceiro da Escola"

Governo do Paraná quer terceirizar serviços em 200 escolas públicas

Imagem de destaque
Prevenção e proteção

Campanha de vacinação contra a poliomielite começa na segunda no Paraná

Imagem de destaque
Viajou em caminhão

Jiboia transportada do Nordeste por engano é tratada em Londrina


Os equipamentos foram danificados, mas seguiram funcionando. A secretaria de Saúde registrou Boletim de Ocorrência (BO) do fato. A mãe do paciente pode ser enquadrada em dois crimes: desacato aos servidores públicos e por depredação de patrimônio ou bem público.  A secretária admite que há casos de superlotação no PA da Vila Oliveira, mas nada justifica, segundo ela, o destempero a esse nível. 


"Os serviços tem estado lotado em virtude da epidemia de dengue. Ontem pontualmente não era um dia de lotação. Para nós, é uma situação que coloca os servidores em exposição. Poderia ter machucado alguém, mas graças a Deus ninguém se machucou e as recepcionistas conseguiram sair a tempo. Também não houve consequências para a criança", afirmou Erika. 


Mesmo após o ataque da mulher, o atendimento médico continuou cerca de 50 minutos do horário de chegada, registrado às 21h57. A criança permaneceu em observação e, após reavaliação, foi encaminhada ao Hospital São Rafael para continuidade do tratamento. 


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade