Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Foz do Iguaçu

Encontro discute recuperação de rios e proteção de matas

Redação Bonde
21 nov 2007 às 19:52
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Cerca de 3 mil pessoas participam do 4º Encontro Cultivando Água Boa, aberto na tarde de hoje (21) em Foz do Iguaçu. O programa socioambiental Cultivando Água Boa, criado pela Itaipu Binacional em 2003, é desenvolvido em parceria com 1.700 instituições, entre universidades, órgãos de governo, organizações não-governamentais (ONGs) e associações.

O programa, segundo diretor de Coordenação e Meio Ambiente da Itaipu, Nelton Friedrich, foi premiado na Holanda com a Carta da Terra e "é composto de 70 projetos e 96 ações que abrangem a recuperação dos rios da Bacia do Paraná 3, passando pela proteção das matas e da biodiversidade, pela atenção a segmentos econômicos ligados ao meio ambiente e pela promoção da educação ambiental nas comunidades do entorno".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Friedrich informou que até sábado (24) essas ações serão discutidas entre representantes das comunidades e convidados, como o teólogo e ativista ambiental Leonardo Boff; a atriz Letícia Sabatella, o coordenador da Rede de Educação Ambiental do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Enrique Leff, e Paulo Nobre, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Leia mais:

Imagem de destaque
No HV da Unifil

Transfusão sanguínea inédita e cirurgias salvam lobo-guará resgatado em Jacarezinho

Imagem de destaque
Homicídio com dolo eventual

Motorista embriagado que matou ciclista na região de Maringá é denunciado pelo MP por homicídio

Imagem de destaque
Resultados positivos

Volume de vendas do comércio no Paraná cresce 4,5% em 2024

Imagem de destaque
Ney esteve em Maringá

Quem é Kleber Barbão, de Maringá, novo fisioterapeuta de Neymar que tratou Falcão


Um dos projetos do Cultivando Água Boa, lembrou o diretor, tornou-se referência para a construção de hidrelétricas no país: o Canal da Piracema, que tem dez quilômetros de extensão e liga a parte do Rio Paraná localizada abaixo da barragem ao reservatório da usina. "A obra permite que peixes migratórios vençam o desnível de 120 metros entre as duas partes do rio, contribuindo para a diversidade e melhoria genética da ictiofauna [conjunto das espécies de peixes que existem numa determinada região]", explicou.

Nelton Friedrich destacou ainda que o programa estimula uma nova forma de se relacionar com o meio ambiente: "E essa cultura deve ser incorporada ao dia-a-dia das comunidades, independentemente da participação da Itaipu Binacional. O objetivo é que, futuramente, a iniciativa caminhe por si própria". (ABr)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade