Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Prisão em flagrante

Jogador confessa ter matado presidente de honra do Nacional de Rolândia

Rafael Machado - Grupo Folha
18 set 2020 às 11:36
- Reprodução/Facebook
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O jogador de futebol Vinícius Henrique Corsini da Silva, 20 anos, disse que teve um "apagão" e "não se recorda do que fez" depois de assassinar a facadas José Danílson Alves de Oliveira, 58 anos, que por muitos anos foi presidente do Nacional Atlético Clube, equipe tradicional em Rolândia. O crime aconteceu no final da tarde de quarta-feira (16) na esquina das ruas Santa Catarina com Hugo Maria do Vale, centro da cidade.


Relembre o caso: Morre no hospital o presidente do nacional de Rolândia após ser ferido a facadas

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Depois de ser golpeado, Oliveira foi encaminhado inicialmente para o Hospital São Rafael, mas acabou transferido para o Hospital do Coração, em Londrina, por causa dos graves ferimentos. A morte foi confirmada pela assessoria de imprensa da unidade de saúde perto das 21h30 de quarta. Corsini foi autuado em flagrante pela Polícia Militar pouco tempo depois e confessou o homicídio.

Leia mais:

Imagem de destaque
Vale do Ivaí

Casal de idosos se fere em colisão com trator em Cambira

Imagem de destaque
Saiba mais

Indústria do Paraná emprega quase 39% dos imigrantes

Imagem de destaque
PR-092

Motorista morre após se envolver em atropelamento de animal silvestre e colisão frontal em Joaquim Távora

Imagem de destaque
Primeiros convocados

Resultado de concurso para Quadro Próprio do Governo do Paraná é divulgado


No interrogatório dado ao delegado plantonista Marcos Rubira, que a FOLHA teve acesso, o jovem disse que a relação com Danílson não era boa porque ele teria "flertado com sua mãe". Ele comentou que "o ódio foi só aumentando e, diante da impossibilidade de conviver com isso, pediu para sair do time no início deste ano". O contrato foi então rescindido.


No dia do crime, o rapaz falou que "resolveu assar uma carne, e por isso foi ao mercado". Lá, comprou uma faca de churrasco "e colocou tudo em sua mochila". Durante a volta para casa, "passou em frente à empresa que Danílson era sócio e o encontrou entrando no carro". Nesse exato momento, Corsini garantiu que não se lembra do que aconteceu. Ele apenas informou a Polícia Civil que "se recorda de ter dado uma facada no ombro e na perna, mas sem intenção de matá-lo".

Saiba mais detalhes do depoimento na Folha de Londrina.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade