Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Jorge Guaranho

Justiça nega pedido de prisão domiciliar de bolsonarista que matou petista no Paraná

Danielle Brant - Folhapress
12 abr 2024 às 12:10
- Reprodução/Facebook
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná negou o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do ex-policial penal Jorge Guaranho pedindo a substituição da prisão preventiva pela domiciliar para garantir "a integridade física e a saúde" do bolsonarista, preso após matar o petista Marcelo Arruda.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Condomínio fechado

Mulher denuncia marido por expulsá-la de casa em Apucarana

Imagem de destaque
Abre e fecha

Feriado de Corpus Christi: confira como será o funcionamento dos órgãos estaduais do Paraná

Imagem de destaque
Rede estadual

Projeto que prevê terceirização de escolas do Paraná é aprovado na CCJ

Imagem de destaque
Feriado cristão

Corpus Christi: confira a programação das celebrações em Londrina e região

Os advogados do ex-policial penal diziam haver constrangimento ilegal na manutenção da prisão de Guaranho na Cadeia Pública Laudemir Neves, em Foz do Iguaçu. Eles também pediam que o bolsonarista ficasse em prisão domiciliar com monitoramento eletrônico até a nova sessão que vai analisar o crime, marcada para 2 de maio.

Publicidade


A defesa alega que a prisão teria "condições precárias" e cita como exemplo episódio que resultou na fratura do braço de Guaranho e a "falta de atendimento médico adequado por um período considerável."


Em sua decisão, o desembargador substituto Sergio Luiz Patitucci argumentou que a manutenção de Guaranho na cadeia não provocava constrangimento ilegal, pois "a decisão [da prisão] atacada visa evitar prejuízo na atuação da Defesa do paciente, a qual alegou que ficou impossibilitada de ter contato presencial e com antecedência com o paciente."

Publicidade


Além disso, Patitucci disse que o diretor da unidade prisional informou ter local apropriado onde o bolsonarista poderá permanecer até a data do julgamento, assim como condições de oferecer atendimento médico necessário.


"Logo, não há nos autos prova de que o paciente não está recebendo o tratamento adequado no estabelecimento prisional em que se encontra, inexistindo ilegalidade à primeira vista", escreve o desembargador substituto. "Não se verifica a ocorrência de ilegalidade que justifique a substituição da prisão preventiva em prisão domiciliar, ainda que mediante monitoração eletrônica", conclui.

Publicidade


Para o assistente de acusação Daniel Godoy Junior a decisão do Tribunal de Justiça do Paraná "atende à necessidade de celeridade no processo, de eficiência na prestação judicial e o respeito à dignidade da pessoa humana."


"Ficou assegurada por informações do próprio Depen (Departamento Penitenciário Nacional) e também pelas informações que foram outras trazidas ao processo que eles têm plenas condições de serem atendidos em Foz do Iguaçu, inclusive evitando deslocamentos em viagens desnecessárias", acrescentou.


Arruda fez uma festa de aniversário em julho de 2022 para comemorar seus 50 anos com a temática do PT. Guaranho passou de carro em frente ao salão de festas dizendo "Aqui é Bolsonaro" e "Lula ladrão". Eles discutiram e, mais tarde, o ex-policial penal voltou ao local e atirou contra o guarda municipal.


O petista, já ferido no chão, também baleou o bolsonarista, que ficou internado em um hospital antes de ser transferido para a prisão. O júri inicialmente marcado para 4 de abril foi suspenso após pedido da defesa.


Imagem
Câmara aprova projeto para inclusão de surdos em concursos públicos em Londrina
A Câmara de Londrina aprovou nesta quinta-feira (11), em primeiro turno, um projeto para inclusão de surdos em concursos públicos no município
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade