Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Convênio com empresa

Paraná: presos do regime semiaberto vão trabalhar na manutenção de ferrovia

Agência Estadual de Notícias
19 nov 2015 às 16:25
- Reprodução/Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Equipes compostas por presos da Colônia Penal Agroindustrial (Cpai) - unidade de regime semiaberto do Departamento de Execução Penal do Paraná (Depen) – vão trabalhar na limpeza e manutenção da faixa situada à margem da ferrovia, chamada faixa de domínio, em Piraquara (Região Metropolitana de Curitiba).

A iniciativa faz parte de um convênio firmado entre o Depen, a Prefeitura de Piraquara e a Rumo ALL, empresa responsável por parte da malha ferroviária no Paraná. A denominada "Patrulha da Limpeza" vai executar serviços de capina, roçada, coleta e destinação correta de lixo na extensão da ferrovia, que corta o perímetro urbano do município.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Cerca de 60 presos da Colônia Penal já trabalham na manutenção da cidade, por meio de um convênio com a prefeitura firmado há dez anos. Eles fazem serviços diversos, como limpeza de ruas, manutenção de vias e calçadas e confecção de blocos de concreto. Com a nova parceria, 20 desses presos vão atuar no entorno das linhas férreas.

Leia mais:

Imagem de destaque
9 mil crianças na espera

Curitiba tem fila em creches como pauta eleitoral e judicialização por falta de vaga

Imagem de destaque
Carteira Assinada

Agências do Trabalhador do Paraná iniciam a semana com 24,1 mil vagas, maior número do ano

Imagem de destaque
Região Norte é mais afetada

Estiagem afeta desenvolvimento de trigo e quebra safra no Paraná

Imagem de destaque
Veja vídeo:

Dunga e a esposa sofrem acidente na BR-116 na região metropolitana de Curitiba


O termo de cooperação está previsto na Lei de Execução Penal 7.210/2011, com o objetivo de proporcionar ocupação laborativa e a reinserção social dos detentos. Ele pode ser firmado com órgãos da administração direta ou indireta ou entidades privadas.

Publicidade


Funcionamento


Os presos que desejam participar dos canteiros de trabalho são avaliados e selecionados por uma Comissão Técnica de Classificação, que analisa o histórico criminal, a personalidade e o comportamento dos detentos dentro do sistema prisional.

Publicidade


Eles recebem das empresas, por mês, a remuneração correspondente a três quartos do salário mínimo regional vigente. Parte do salário pago ao preso – cerca de 20% - fica retida todo mês em uma poupança para que ele possa retirar a quantia quando sair em liberdade definitiva. Os 80% restantes podem ser retirados durante o cumprimento de pena pela família do detento, caso ele escolha essa opção.


Além do trabalho remunerado, outra bonificação para os presos que atuam em canteiros de trabalho é a redução da pena – a cada três dias de trabalho, um é descontado da pena total a cumprir.


Parcerias

Além do termo de cooperação com o município de Piraquara, a Colônia Penal Agroindustrial do Paraná, por meio do Depen, mantém outros 26 convênios, com a participação de empresas públicas e privadas. São 1.037 presos que trabalham todos os dias, em um universo de 1.400 detentos.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade