Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
No Paraná

Professores terão abono salarial

Redação - Folha de Londrina
31 jul 2003 às 20:22
Continua depois da publicidade

O governo do Paraná anunciou nesta quinta-feira abono salarial para os professores da rede estadual de ensino e para servidores ativos e inativos do quadro próprio do Poder Executivo.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Os professores que trabalham no regime de 40 horas de dedicação e os servidores da área de apoio e execução do governo receberão um abono de R$ 100,00 a ser incluído na folha de pagamento até o final de agosto. Os professores que trabalham no regime de 20 horas receberão um abono de R$ 50,00, mesma quantia que será concedida aos servidores públicos inativos.

Continua depois da publicidade


Segundo o secretário de Estado da Educação, Maurício Requião, os abonos foram concedidos após negociações com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná (APP-Sindicato). ''As negociações foram transparentes, com o governo mostrando as receitas e despesas. Gostaríamos de dar um aumento maior, mas é o que foi possível no momento. Caso tenhamos um aumento de receita maior do que o que está previsto, voltaremos a negociar'', afirmou Maurício.


Para o secretário, o abono é uma maneira de corrigir injustiças cometidas contra os professores no governo anterior. ''Os salários encontravam-se muito defasados. Mas acredito que mais importante que o abono é o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) que enviaremos para a Assembléia em agosto para recuperar a dignidade do magistério'', disse Maurício.


O secretário de Estado da Administração, Reinhold Stephanes, destacou que os abonos foram concedidos para atingir os servidores que foram mais prejudicados nas gestões anteriores.

Continua depois da publicidade

Pelas contas da Secretaria da Administração, os abonos vão atingir cerca de 130 mil servidores ativos e inativos. O impacto na folha de pagamento, segundo Stephanes, será de R$ 58 milhões se somados o piso mínimo de R$ 400,00, os abonos e outros reajustes já concedidos ao longo do ano. A folha de pagamento do Estado, que no início do ano estava em R$ 242 milhões, deve chegar aos R$ 300 milhões até o final do ano.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade