Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
No Paraná

Socorrista do Siate denuncia sobrecarga no Twitter

Diego Ribeiro/Equipe Folha
21 out 2009 às 12:25
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma sobrecarga no sistema de pronto atendimento deixou cinco viaturas do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) com vítimas esperando várias horas nos hospitais Cajuru, Evangélico e do Trabalhador, na noite de segunda-feira, em Curitiba.

A demora no atendimento foi causado por um número grande de atendimentos realizados. Um dos fatores que contribuiu para a sobrecarga foi a falta de um tomógrafo, equipamento de análise de trauma, no Hospital Evangélico. De acordo com a assessoria da instituição, o aparelho deve estar funcionando até o fim de semana.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Um dos bombeiros socorristas que esperou na porta dos hospitais publicou o fato no site de relacionamento e mensagem instantânea Twitter. ‘Ontem fiquei duas horas com uma vítima na frente do hosp. (sic) Evangélico pq (sic) o tomógrafo quebrou’, explica o bombeiro Antonio Marcos R. da Silva.

Leia mais:

Imagem de destaque
Alerta

Paraná registra 20 ocorrências de balões que caíram sobre a rede elétrica em 2024

Imagem de destaque
Padrasto

Júri de ex-marido de mulher acusada de matar a filha no Paraná é adiado

Imagem de destaque
Queda de temperaturas

Frente fria chega com menor intensidade ao Norte do Paraná

Imagem de destaque
Hospital de campanha

Veterinários do Paraná atendem mais de mil animais resgatados no Rio Grande do Sul


Ele começou a usar o Twitter há vinte dias. ‘Alguém tem que falar sobre isso. Não posso ficar omisso em frente dessa situa-ção’, afirma.

Publicidade


O Hospital do Trabalhador confirmou que passou o dia inteiro de segunda-feira com sobrecarga e voltou a receber as vítimas do Siate somente no final da noite.


O relato do bombeiro é apenas a ponta do problema dos hospitais em Curitiba. Para o diretor da rede de urgência municipal de Curitiba, Matheos Chomatas, além da falta do tomógrafo ter desencadeado problemas nas outras unidades, o sistema de saúde na região metrolitana da Capital é mal gerido, o que faz as vítimas recorrerem a Curitiba. Na opinião dele, há ainda o problema da violência nas grandes cidades, que ocasiona também um número alto de atendimentos.

A reportagem da FOLHA procurou a assessoria de imprensa do Hospital Cajuru sem sucesso.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade