Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Comércio na internet

Venda de ervas alucinógenas deve ser proibida no Paraná

Redação Bonde
22 out 2009 às 22:12
Salvia Divinorum teria levado vários jovens a cometer suicídio após o uso - Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O deputado Ney Leprevost, presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, vai protocolar na semana que vem um projeto de lei proibindo o cultivo, importação, armazenamento e comercialização das ervas Salvia Divinorum e Argyreia Nervosa no Paraná. Anunciadas em sites como ferramentas para prática de meditação, as ervas são, na verdade, versões legais de drogas ilícitas, como o LSD, tão ou mais potentes do que ele.

A Salvia Divinorum que costuma ser desidratada e fumada, já foi proibida nos Estados Unidos, Alemanha, Itália e Japão. Existem relatos de jovens que cometeram suicídio após o uso dessa erva. "A maconha faz muito menos mal do que essas ervas e sua venda é proibida no país. Por outro lado, a Salvia Divinorum, que é altamente alucinógena, pode ser comprada pela internet", afirma Ney.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Como a Assembléia Legislativa não tem poder constitucional para transformar em crime a importação e o cultivo das ervas, o projeto de Leprevost estabelecerá uma multa de 50 mil reais para quem for flagrado plantando, importando ou vendendo as ervas. "Essas substâncias estão tendo seu uso cada vez mais constante no Brasil.

Leia mais:

Imagem de destaque
Placas 5 e 6 nesta terça

Vence nesta quarta a última parcela do IPVA 2024 para veículos com final de placa 7 e 8

Imagem de destaque
Tempo indeterminado

Greve na Renault do Paraná paralisa a produção de 7.200 carros

Imagem de destaque
Tratamento e recuperação

Animais feridos recuperados pela Itaipu serão devolvidos à natureza

Imagem de destaque
Oportunidade

Cambé abre inscrições para curso gratuito de boas práticas na manipulação de alimentos

Em Londrina, por exemplo, já existem casos de pessoas que compram através de sites todos os meses. Os usuários devem receber tratamento de saúde e os vendedores deveriam ter a mesma imputação penal que é conferida aos traficantes", argumenta Leprevost.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade