Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade

Empresa nega oferecimento de propina para policiais

Redação - Folha do Paraná
16 ago 2001 às 19:29
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um problema no envio de correspondências da empresa RS Resgate, sediada em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, teria sido a causa para incluí-la em um inquérito da Corregedoria de Polícia Civil do Rio de Janeiro. Essa foi a justificativa dada por Esdra Bruder, sócia da empresa, sobre o caso. A RS Resgate está sendo acusada de oferecer propina para policiais civis cariocas, pela recuperação de veículos roubados.

Segundo informações de Esdra Bruder, mulher de Cemiro Bruder Júnior, proprietário da RS Resgate, a distribuição de panfletos propondo prêmios aconteceu em maio. Nesta data, a empresa comecou a operar no mercado como recuperadora de veículos. "A intenção era enviar correspondências apenas para as recuperadoras de carros roubados do Rio de Janeiro. Mas um funcionário se confundiu e colocou os endereços das delegacias do Rio na lista de postagem", afirmou.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


De acordo com informações de Esdra, ao perceber o erro, o seu marido, Cemiro Bruder Júnior, enviou uma carta informando o problema de postagem para a Polícia Civil do Rio de Janeiro. "Tínhamos dado o assunto como encerrado", disse, surpresa com a notícia de que um processo tinha sido aberto. Esdra afirmou que depois desse incidente com a RS Resgate, que estava se formalizando, o seu marido desistiu de abrir a empresa.

Leia mais:

Imagem de destaque
Fugiram do estabelecimento

Dois homens são presos por furtar dois desodorantes de farmácia na avenida Higienópolis

Imagem de destaque
Em parceria com a CMTU

Polícia Militar apreende seis carros e uma moto em blitz na Zona Norte de Londrina

Imagem de destaque
Tambem escondeu o corpo

Homem é condenado a 25 anos de prisão pelo feminicídio da namorada em Ponta Grossa

Imagem de destaque
Dois homens foram presos

Polícia Militar apreende quase 300 quilos de maconha em Jandaia do Sul

Esdra disse que é comum pagamento de prêmios entre as empresas que recuperam carros. "Só que o prêmio não é oferecido para policiais", garantiu. Mas, pelas investigações da polícia carioca, a RS Resgate criou até uma tabela de preços, que varia conforme o modelo e idade dos veículos. Para os carros com valor acima de 10 mil, o prêmio é de 10% do valor do automóvel. Para aqueles com valor inferior, o percentual cai para 8%. E, caso a devolução seja feita diretamente ao segurado, o valor é de 3%.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade