Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Vítima está na UTI

Fisiculturista leva mulher ao hospital e é preso por suspeita de tentativa de feminicídio

Yuri Eiras - Folhapress
20 mai 2024 às 19:42
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Polícia Civil de Goiás prendeu na sexta-feira (17) o fisiculturista Igor Porto Galvão por suspeita de tentativa de feminicídio contra a companheira. O caso aconteceu em Aparecida de Goiânia, a cerca de 149 km de Goiânia.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Veja vídeo

Incêndio de grandes proporções atinge pátio de veículos da Polícia Civil na zona oeste de Londrina

Imagem de destaque
Violência contra a mulher

Filha de 10 anos denuncia pai por agressão à mãe na zona rural de Londrina

Imagem de destaque
Jardim Beltrão

Polícia Civil prendeu homens que invadiram casa em Ibiporã e ameaçaram idosa de 75 anos

Imagem de destaque
Mais casos

Fenol é apreendido em clínica onde idosa sofreu queimaduras em Curitiba

A investigação contra Galvão começou no dia 10 de maio, quando ele levou a companheira ao hospital alegando que ela havia sofrido uma queda. Profissionais do hospital viram contradições na versão e contataram a polícia, que prendeu o nutricionista no dia 17.

Publicidade


A vítima está internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em estado gravíssimo.


Procurado pela reportagem, o advogado Thiago Marçal, que representa o fisiculturista, afirmou que não existia motivo para a prisão preventiva e que seu cliente estava à disposição da polícia para esclarecer os fatos.

Publicidade


"Em momento algum existe algo no processo que ele interferiu no bom andamento da investigação. Pelo contrário, a polícia esteve em sua residência fora de horário a fim de fazer perícia e ele autorizou, perícia essa que teve como resultado inconclusivo."


A Polícia Civil de Goiás disse que a vítima deu entrada no hospital com múltiplas lesões, como traumatismo craniano em três partes diferentes do crânio, oito costelas quebradas, clavícula fraturada e escoriações nas coxas, boca e olhos.


Os funcionários do hospital desconfiaram que as lesões da mulher eram incompatíveis com uma queda, como teria afirmado Galvão. Por isso, eles procuraram a Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Aparecida de Goiânia.


A polícia afirma que Galvão, que também atua como nutricionista e educador físico, já respondeu por vários processos envolvendo violência doméstica, tanto com a ex-namorada, quanto com a atual companheira. Uma medida protetiva chegou a ser determinada, mas foi arquivada.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade