Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Segurança pública

Governo estadual promete prisão feminina em Londrina

Loriane Comeli - Redação Bonde
28 jun 2009 às 09:44
Segundo Elza Correia, Ministério da Justiça deverá encaminhar recursos; município se prontificou a doar terreno para a cadeia feminina - Folha de Londrina/Arquivo
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A coordenadora da Região Metropolitana de Londrina (RML), Elza Correia, disse que o governo do Estado está com projeto pronto para encaminhar ao Ministério da Justiça solicitando recursos para a construção de uma penitenciária feminina para a região.

Hoje, as presas são abrigadas em delegacias, como no caso de Londrina, em que elas ficavam no 3º Distrito Policial. Devido à superlotação, no entanto, na semana passada, parte delas foi transferida para a carceragem do 4º DP, que estava desativada. "Ninguém se alegra em construir penitenciárias, mas é um equipamento social necesário", disse Elza Correia em entrevista à Rádio Paiquerê AM.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Apesar da promessa, a obra não tem data para ser iniciada. Segundo Elza, o projeto depende da finalização do consórcio entre os municípios da RML na área de segurança e da posterior inclusão no programa nacional de segurança e cidadania, o Pronasci. "O governador (Roberto) Requião já deliberou pela construção de uma penitenciária estadual (masculina) semi-aberta aqui e nós pleiteamos a prisão feminina. E a contrapartida do estado é muito pequena, de apenas 2%", afirmou.

Leia mais:

Imagem de destaque
Envolvimento com tráfico

Ataque a tiros em festa infantil deixa pai, filho e prima mortos em MG

Imagem de destaque
Homicídio a marteladas

Jovem de 16 anos mata os pais adotivos no Rio de Janeiro e incendeia corpos

Imagem de destaque
Acusada pediu socorro

Mulher suspeita de atacar jovem com ácido em Jacarezinho é presa e alega ciúmes do ex

Imagem de destaque
Acusados de vários crimes

Em Distrito de Maringá, Polícia prende casal suspeito de ter cometido latrocínio


Segundo ela, um assessor do ministro Tarso Genro (Justiça) já se prontificou a ajudar Londrina e os municípios da região metropolitana a se inscreverem no Pronasci. O prefeito Barbosa Neto (PDT), disse Elza, também já concordou em doar terreno em Londrina para a construção da cadeia feminina.

A princípio, segundo a coordenadora da RML, a penitenciária para mulheres teria cerca de 500 vagas. "A construção da prisão é um paliativo, aliás, não resolve problema algum. É necessário fortes projetos sociais para dar inclusão, cidadania, educação, saúde e reduzir o crime", opinou Elza.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade