Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Operação Simulação

Grupo criminoso alvo da Polícia Federal pode ter movimentado mais de R$ 15 milhões com mercadorias de descaminho

Caroline Knup - Especial para o Portal Bonde
21 nov 2023 às 13:05
- Divulgação/Polícia Federal
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade
A PF (Polícia Federal) deflagrou, na manhã desta terça-feira (21), a Operação Simulação, que cumpriu 14 mandados de busca e apreensão contra um grupo criminoso que atua no descaminho de mercadorias e na lavagem de dinheiro na região de Londrina.


Do total de mandados de busca e apreensão, quatro foram cumpridos em Londrina, no Norte do Paraná, oito em Arapongas (Região Metropolitana de Londrina), um em Maringá, no Noroeste do Estado, e um em São José do Rio Preto/SP.


O delegado da PF Joel Moreira Ciccotti informou que o grupo criminoso importava e comercializava mercadorias oriundas do Paraguai e da Argentina e, também, usava o nome de pessoas físicas e de pessoas jurídicas para a lavagem de dinheiro. Equipamentos eletrônicos, vinhos e azeites eram os principais produtos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade



VALOR MOVIMENTADO

Leia mais:

Imagem de destaque
EM PENSIONATO

Estudante de medicina brasileiro é encontrado morto em quarto no Paraguai

Imagem de destaque
Decisão provisória

Justiça proíbe líder de suposta ONG em Maringá de pedir dinheiro para tratamento de animais

Imagem de destaque
Constrangia a vítima

Bombeiro de Maringá é denunciado pelo Ministério Público por assédio sexual a oficial subordinada

Imagem de destaque
32 toneladas de ração animal

Polícia Rodoviária Federal evita roubo de carga após carreta tombar na BR-369, em Andirá


Na operação desta manhã, a Polícia Federal apreendeu, além de 12 veículos, uma moto aquática e pneus. De acordo com o delegado, contudo, os pneus, provavelmente, seriam utilizados para fazer a manutenção dos ônibus que buscavam e levavam as mercadorias entre os municípios.

Publicidade


Na ação, a PF bloqueou imóveis e recursos financeiros das contas dos investigados pelos crimes, o que soma cerca de R$ 6 milhões. Apesar do valor, Ciccotti aponta que a movimentação deve ter sido maior.


"Não conseguimos apreender todas as mercadorias e esse grupo atua há bastante tempo, então, certamente, o valor movimento é maior. Podemos estimar que é algo três vezes maior, então uma movimentação de mais de R$ 15 milhões", aponta.

Publicidade



EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO


Os criminosos, conforme apurado pela Polícia Federal, adquiriam os produtos nas regiões de fronteira e utilizavam transportes rodoviários para levá-las, especialmente, até Londrina. 

Publicidade


Segundo Ciccotti, o grupo utilizava um barracão localizado na avenida Rio Branco para separar as mercadorias e realocá-las em outros veículos para serem levadas a outros locais, como municípios do Estado de São Paulo.


Ciccotti aponta que o grupo era estruturado e tinha uma organização comercial para vender as mercadorias tanto de forma presencial quanto pela internet.

Publicidade


Imagem
Descaminho e lavagem de dinheiro: Polícia Federal cumpre quatro mandados em Londrina
A PF (Polícia Federal) deflagrou, na manhã desta terça-feira (21), a Operação Simulação, que visa combater um grupo criminoso que atua no descaminho de mercadorias e lavagem de dinheiro na região de Londrina.


LARANJAS DE COTA


Para evitar apreensões de ônibus, o grupo criminoso utilizava "laranjas de cota", que consistem em pessoas que emprestavam seus nomes e CPFs para a compra das mercadorias. Com indivíduos diferentes, era possível que cada um assumisse parte das mercadorias.

Publicidade


"Identificamos que as pessoas usavam os ônibus para buscar as mercadorias na região de fronteira e, para evitar prejuízos maiores, elas levavam outras pessoas, que chamamos de laranjas de cota, para que elas assumissem algumas mercadorias. Com isso, a apreensão, quando havia, causava bem menos prejuízo", explica.


Essa simulação foi o que ensejou o nome da operação policial.

Publicidade


- Divulgação/Polícia Federal


CASAS E CARROS DE LUXO


Conforme aponta a PF, casas e carros de luxo foram adquiridos por alguns dos integrantes do grupo criminoso com os recursos provenientes dos crimes.


Mesmo assim, o delegado Ciccotti ressalta que alguns dos mandados de busca e apreensão foram cumpridos em residências simples, nas quais moram pessoas de baixo poder aquisitivo e que ganhavam algum valor para agir como laranjas de cota.


Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas, somadas, podem chegar a dezoito anos de prisão.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade