Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Operação da PF

Maringá: Suspeito de enviar molho de tomate em vez de mercadorias é detido

Redação Bonde com assessoria de imprensa
24 out 2020 às 15:18
- Divulgação/PF
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A PF (Polícia Federal) prendeu em flagrante em Maringá (Noroeste), na manhã de sexta-feira (23), um homem de 27 anos que aplicava golpes enviando molho de tomate no lugar das mercadorias vendidas em sua loja virtual, hospedada em plataforma de compras online. As fraudes podem ter chegado a cerca de R$5,5 milhões.


Conforme a PF, o suspeito foi flagrado no momento em que despachava encomendas em uma agência dos Correios. Nos objetos postais foram encontrados celulares sem nota fiscal.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A investigação do caso iniciou em agosto de 2020 e, com o apoio da empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, foram identificados 1328 objetos postais despachados que estavam sem nota fiscal ou com declaração de conteúdo em branco relacionados a compras por meio de uma plataforma digital.

Leia mais:

Imagem de destaque
BR-277

Duas pessoas morrem em engavetamento envolvendo seis veículos em Guarapuava

Imagem de destaque
Bandeirantes e Cornélio

Quatro pessoas são presas com quase 80 quilos de maconha no Norte do Paraná

Imagem de destaque
Motorista do carro foi preso

Polícia Militar apreende mais de 240 quilos de maconha e recupera veículo furtado em Arapongas

Imagem de destaque

Homem é detido por suspeita de desviar R$ 300 mil com golpes contra idosos em Apucarana


Parte dessas encomendas foram inspecionadas pela Receita Federal, que localizou molho de tomate como conteúdo.


Divulgação/PF
Divulgação/PF


A Polícia Federal realizou buscas na casa do suspeito e arrecadou mais de 200 aparelhos celulares, eletrônicos e anabolizantes.

O homem, que já foi indiciado pela Polícia Federal, responderá pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica, descaminho de eletrônicos e importação de produtos destinados a fins medicinais de origem ignorada, além de sonegação fiscal e adulteração de vale-postal (art. 36 da Lei 6.538/78).


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade