Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Caso encerrado

Polícia prende assassinos do professor Teófilo Bacha

Bonde, com informações da AEN
28 jan 2004 às 16:23
Alexssandro Pimentel e Wesleandro Ribeiro Santos, conhecido como Baiano, foram capturados no Balneário de Itapoá, em Santa Catarina - SECS
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Menos de 48 horas após o assassinato do professor e vice-presidente Conselho Estadual de Educação Teófilo Bacha Filho, 57 anos, a polícia elucidou o crime que chocou a sociedade paranaense.

Wesleandro Ribeiro Santos, 21, conhecido como "Baiano", Alexssandro Pimentel, 22, e um adolescente, de 17, foram presos nesta terça-feira, dia 27, por volta das 19h30, no Balneário de Itapoá, no Litoral de Santa Catarina, na casa da namorada do menor.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Tanto Baiano quanto o menor confessaram ter matado o professor. Alexssandro nega ter envolvimento com o assassinato, mas a polícia suspeita que ele tenha participação direta no crime. "Se ele não tinha nada a ver com o assassinato do professor, então, por que fugiu?", indaga o delegado Luiz Carlos Oliveira, responsável pela Operação Verão no Litoral paranaense.

Leia mais:

Imagem de destaque
No caminhão

PRF e PF apreendem 2,5 toneladas de maconha na região de Londrina

Imagem de destaque
Répteis exóticos

Polícia Federal investiga grupo que usava Correios para traficar animais

Imagem de destaque
Após denúncia

Polícia Militar fecha bingo clandestino que funcionava no Centro de Londrina

Imagem de destaque
Abandono de incapaz

Mulher denuncia ex-marido por deixar filho de nove anos sozinho em casa em Jandaia do Sul


A prisão dos três acusados também contou com a colaboração das polícias Civil e Militar de Santa Catarina. Baiano e Alexssandro estão presos na carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos da capital e o menor foi encaminhado à Delegacia do Menor e do Adolescente.

Publicidade


O crime – Na noite de domingo, o professor convidou Baiano e o menor para jantarem em sua casa, na Alameda Presidente Taunay, no Bigorrilho, em Curitiba. Eles haviam se conhecido há cerca de dois meses.


Após jantarem, todos foram para o quarto do professor. Enquanto o menor de idade distraía Bacha Filho, Baiano o surpreendeu atingindo sua cabeça com um vaso de flores. "Então, ele tonteou, mas nem chegou a desmaiar", conta Baiano.

Publicidade


Em seguida, o menor utilizou um pequeno banco de madeira para desferir mais dois golpes na cabeça do professor. "Mas, ainda assim, ele não morria", recorda Baiano, que decidiu dar um fim à vida do homem, estrangulando-o com um fio de antena que arrancou da televisão.


Após roubar um DVD, uma máquina fotográfica, um rádio-relógio, R$ 35 em dinheiro, cartões de crédito, documentos e um telefone celular, os acusados fugiram com o carro do professor (um Honda Civic) em direção à casa de Alexssandro, no bairro Eucaliptos, em Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba.

Publicidade


Lá, eles deixaram parte do material roubado e seguiram em direção a Espigão das Antas, em Mandirituba, na região metropolitana de Curitiba. "Fomos visitar a minha mãe. Já era por volta de 5h30", diz Alexssandro.


No dia seguinte, a cunhada de Alexssandro os avisou que a polícia os estava caçando. Revelou também que a polícia já tinha prendido a esposa de Alexssandro, Maria Cristina Cândido dos Santos, 26, em Fazenda Rio Grande. "Nem paramos em casa, recebi uma ligação quando estava chegando, por volta das 17 horas de segunda-feira e decidimos ir direto para Itapoá, na casa da namorada do adolescente", revela Alexssandro.

Publicidade


Prisão – Após abastecer o veículo e comprar comida utilizando um cartão de crédito do professor, os três fugiram em direção ao Litoral de Santa Catarina. Depois de trocar informações com a polícia catarinense, os policiais do Paraná identificaram o local onde os três acusados estavam se escondendo e prenderam os marginais, que estavam dormindo no momento em que a polícia invadiu a casa da namorada de Alexssandro.


Alexssandro diz que é pedreiro e afirma não ter participação no assassinato. Ele conta que o garoto é seu primo e chegou a sua casa, acompanhado de Baiano, pedindo cobertura para a fuga. Baiano confirma que Alexssandro não teve participação no crime.


Ele conta que nada foi premeditado e não sabe explicar o motivo que o levou a matar o professor. Baiano é natural do Espírito Santo e morava em Curitiba há cerca de três anos. Ele diz que freqüentava, com o menor, a casa do professor há dois meses e fez cerca de quinze visitas ao apartamento da vítima.

O acusado diz ainda que conheceu o professor de madrugada, quando saía de uma casa de Axé, no centro de Curitiba. Já o delegado Luiz Carlos Oliveira suspeita que o crime foi premeditado, inclusive com a participação direta de Alexssandro.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade