Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Norte do Paraná

Policiais são presos por envolvimento com jogos de azar

Redação Bonde
26 jun 2009 às 11:04
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, núcleo de Londrina, prendeu na tarde desta quinta-feira (25) sete pessoas, entre elas dois policiais, em Cornélio Procópio, por envolvimento em esquema de jogos de azar.

Ao contrário do que a reportagem do Bonde havia afirmado na quinta-feira, a informação de que um dos policiais seria um delegado não foi confirmada na manhã desta sexta-feira (26) pelo Gaeco. Segundo o órgão, foram presos um investigador e um escrivão da Polícia Civil do Paraná.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A operação em Cornélio Procópio deflagrada ontem visa coibir a exploração de caça-níqueis na região do município. Segundo o Gaeco, a ação busca verificar se há eventual participação de policiais acobertando o esquema de jogos de azar.

Leia mais:

Imagem de destaque
Prisão em Guaratuba

Polícia Civil prende suspeitos de matar casal a tiros por engano no Paraná

Imagem de destaque
Tráfico

Operação das polícias Civil e Militar cumpre mandados em Londrina e Ibiporã

Imagem de destaque
Foragidos da Justiça

Condenados por atos golpistas em Brasília quebram tornozeleira e deixam país

Imagem de destaque
Mulher foi presa

PRE apreende maconha em ônibus em Peabiru e prejuízo para o crime chega a R$ 25 mil


Além da prisão dos suspeitos de envolvimento no crime, foram apreendidas cerca de cinqüenta máquinas de caça-níqueis, dez veículos, entre carros e motos, documentos contábeis e fiscais e computadores.

Publicidade


A operação foi comandada pelo promotor de justiça, Cláudio Rubino Zuan Esteves, coordenador do Gaeco de Londrina e contou com o apoio do 18º Batalhão da Polícia Militar, de Cornélio Procópio.


As investigações estão sob sigilo e os nomes dos acusados que tiveram prisões temporárias decretadas não podem ser divulgados. Os policiais presos podem vir a responder por crime de formação de quadrilha e corrupção de agente público.

As informações são do Ministério Público e do Gaeco-Londrina,


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade