24/11/20
PUBLICIDADE
Lavagem de dinheiro

Lula é alvo de denúncia da força-tarefa da Lava Jato no Paraná pela quarta vez

Twitter via Fotos Públicas
Twitter via Fotos Públicas


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi denunciado pela força-tarefa da Lava Jato no Paraná pela quarta vez.


O Ministério Público Federal, em denúncia protocolada na sexta-feira (11), acusa o ex-presidente de lavagem de dinheiro da Odebrecht por meio de doações para o Instituto Lula.

A Procuradoria afirma que foram pagos para o Instituto Lula entre 2013 e 2014 R$ 4 milhões debitados de uma espécie de "conta-corrente" de propina com origem em obras na Petrobras na época dos governos petistas.
Tese similar já tinha sido apresentada nos demais processos em que Lula virou réu no Paraná.

A nova denúncia já é de responsabilidade do novo coordenador da Lava Jato no Paraná, Alessandro Oliveira, que substituiu Deltan Dallagnol no posto no último dia 1º.

É a quarta vez que o ex-presidente é alvo de denúncia no estado. Ele foi condenado em dois processos -do tríplex de Guarujá e do sítio de Atibaia- e aguarda em liberdade o julgamento de recursos.

Por causa da condenação do tríplex, Lula ficou detido por 580 dias, até novembro de 2019, em Curitiba. Foi beneficiado pela decisão do Supremo Tribunal Federal que vetou a prisão após condenação em segunda instância.

No processo do sítio, a pena inicialmente fixada em 12 anos e 13 meses de prisão, foi aumentada para 17 anos e 1 mês em segunda instância.​ No cenário atual, Lula voltaria para a prisão apenas se, ao fim de todos os recursos, sua condenação for mantida.

Mesmo fora da cadeia, Lula não pode se candidatar. Ele está enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que impede que condenados em segunda instância possam disputar uma eleição.

Ele também é réu na Justiça Federal no Distrito Federal e em São Paulo.

OUTRO LADO

A defesa do ex-presidente afirmou que a equipe da Lava Jato recorre a "acusações sem materialidade" em um momento em que a ilegalidade de seus métodos foi reconhecida em julgamentos pelo Supremo.

Afirma que a Procuradoria tenta criminalizar quatro doações lícitas feitas pela Odebrecht e que esses pagamentos estão documentados, com recibo do instituto, e não se confundem com a pessoa do ex-presidente.

"Essa nova investida da Lava Jato contra Lula reforça a necessidade de ser reconhecida a suspeição dos procuradores de Curitiba em relação ao ex-presidente, que está pendente de análise no Supremo Tribunal Federal, assim como a necessidade de ser retomado o julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro - a fim de que os processos abertos pela Lava Jato de Curitiba em relação a Lula sejam anulados", disse em nota o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Negócios locais

Shopping de Londrina anuncia sete novas atividades nas suas dependências

24 NOV 2020 às 11h21
86 anos

Aniversário de Londrina terá iluminação especial em prédios históricos

24 NOV 2020 às 10h24
Obras na cidade

Revitalização do Bosque de Londrina deve começar em janeiro

24 NOV 2020 às 10h01
Acidente fatal

Caminhoneiro morre em tombamento de bitrem na PR-435

24 NOV 2020 às 09h45
PR-445

Acidente entre carro e caminhão deixa mulher ferida na zona sul de Londrina

24 NOV 2020 às 09h22
Estrada do Perobinha

Crânio humano é achado pela PM ao lado de carro incendiado na zona norte de Londrina

24 NOV 2020 às 08h44
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados