Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Frente Parlamentar da Agropecuária

ExpoLondrina: Arthur Lira fala em incômodo com ‘interferências do Judiciário'

Douglas Kuspiosz - Folha de Londrina
11 abr 2024 às 19:28
- Roberto Custódio
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), participou nesta quinta-feira (11) da FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária) Itinerante, durante a 62ª ExpoLondrina (Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina). Em entrevista coletiva, ele tratou da importância do fortalecimento do agro, a manutenção da prisão do deputado Chiquinho Brazão (sem partido), acusado de ser mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), em 2018, e os próximos passos do chamado “PL das Fake News”.


Ao ser questionado sobre a suposta articulação de seus aliados contra o parecer para manter Brazão preso, e um possível enfraquecimento da sua liderança com a derrota, Lira teceu críticas ao ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, a quem chamou a "desafeto pessoal" e "incompetente".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


“Não existe partidarização. Eu deixei bem claro que ontem [quarta-feira] a votação foi de cunho individual, cada deputado é responsável pelo voto que deu. Não tem nada a ver", disse. "É lamentável que integrantes do governo, interessados na instabilidade da relação harmônica entre os poderes, fiquem plantando essas mentiras, essas notícias falsas que incomodam o Parlamento. E depois, quando o Parlamento reage, acham ruim."

Leia mais:

Imagem de destaque
Acordo com MPPR

Ex-prefeito de Ivaiporã Pedro Papin vai devolver mais de R$ 1,3 milhão à Prefeitura

Imagem de destaque
Coronel do Exército

Alexandre de Moraes solta ex-assessor de Bolsonaro investigado por trama golpista

Imagem de destaque
Entenda!

Estudo avalia reduzir número de cidades da Região Metropolitana de Londrina

Imagem de destaque
Sai Alexandre de Moraes

André Mendonça, ministro do STF, é eleito para o TSE


O presidente reforçou que os deputados apenas decidiram se Brazão deveria ou não continuar preso. A votação terminou 277 votos a favor e 129 contra, apenas 20 acima dos 257 necessários para manter a prisão.

Publicidade


“Só foram 20 votos acima do mínimo. A Câmara deixou clara que está incomodada com algumas interferências do Judiciário no seu funcionamento, sem nenhuma proteção a criminosos. Nós não podemos pré-julgar. O julgamento do deputado acontecerá agora no Conselho de Ética e na Justiça”, acrescenta.


Lira também comentou a decisão de criar um grupo de trabalho para propor uma nova versão do “PL das Fake News”. Ele lembra que o assunto está pendente há anos no Congresso e que o PL n° 2630/2020 não consegue avançar.


“Não adianta a gente insistir em um texto que está estigmatizado como texto da censura, texto da falta de liberdade de expressão, texto da interferência”, dizendo que sempre que a Câmara lançou mão de grupos de trabalho, os resultados foram positivos. “Não temos nenhum tipo de preconceito ou dificuldade em tratar de qualquer assunto, contanto que ele tenha andamento.”

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade