26/01/21
PUBLICIDADE
Falta de estímulo

Preguiça para se exercitar é culpa do seu cérebro; entenda

Pesquisadores isolaram a área do cérebro responsável pela motivação para exercícios; descoberta pode melhorar os atuais tratamentos da depressão

Quem nunca teve preguiça de levantar do sofá para fazer exercícios, que atire a primeira pedra. Mas, quando se trata de atividade física, há uma grande diferença entre quem tem uma preguiça passageira, e quem tem aquela preguiça crônica. Enquanto alguns conseguem manter uma rotina quase sagrada - que inclui caminhadas, bike, academia, natação, lutas ou qualquer outro exercício - outros simplesmente não se identificam com nenhuma dessas atividades e são tomados por uma apatia que pode durar a vida toda, mesmo conhecendo os benefícios da prática esportiva.

Em busca de justificativas para tamanha falta de ânimo, a ciência acaba de encontrar um culpado: o seu cérebro! Isso mesmo, agora você já tem a quem culpar. Cientistas do Instituto de Pesquisa Infantil de Seattle fizeram testes com ratos e conseguiram isolar a área do cérebro responsável pela motivação para praticar exercícios físicos. Trata-se de uma estrutura minúscula chamada "habenula medial dorsal".


Reprodução
Reprodução


Durante a pesquisa, a equipe dividiu camundongos em dois grupos. No primeiro, os neurônios da habenula medial dorsal foram completamente removidos. Os ratos lesionados, embora fisicamente capazes de correr, se mostraram desmotivados e não realizaram nenhuma atividade além do essencial. No segundo grupo, os animais podiam escolher entre duas rodas de exercício: uma delas era só uma roda comum, e a outra estimulava a tal área através de um laser que era ativado sempre que os ratinhos começavam a correr. E claro, eles preferiram a roda que tinha o laser.

Como nos humanos essa região do cérebro tem função semelhante, os pesquisadores esperam usar a descoberta para melhorar os atuais tratamentos para depressão, uma vez que o exercício é uma das terapias mais eficazes contra a doença.

O médico responsável pelo estudo, Eric Turner, disse que a estimulação elétrica da habenula já foi testada em um paciente com depressão grave, que obteve melhora considerável. Apesar do resultado animador, Taner acredita que ainda há muito a ser pesquisado. "Esse é apenas um caso. Nosso trabalho demonstra que a habenula é parte de um sistema de motivação e regulação do humor. Agora, temos que descobrir o resto do sistema. Drogas que agem em neurotransmissores poderiam atuar nessa área, mas isso ainda está além do nosso estudo", explica. (Fonte: Revista Galileu)
Redação Bonde
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
'Cabelo curto é muito sensual'

Ellora Haonne ensina seu truque para finalizar os fios

25 JAN 2021 às 17h36
Vacina de Covid

Médico de Londrina vacinado nos EUA relata sintomas de segunda dose da Pfizer

25 JAN 2021 às 10h11
Anote já!

Entenda como contribuir para o INSS por conta própria

25 JAN 2021 às 09h38
Pós-Covid-19

Saiba quando é seguro voltar a fazer exercícios físicos

25 JAN 2021 às 07h48
Anote já!

7 óleos essenciais para atrair dinheiro e prosperidade

23 JAN 2021 às 00h00
Para não estigmatizar

Apelidos tentam evitar que variante do coronavírus se ligue a país

22 JAN 2021 às 10h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados