Pesquisar

Canais

Serviços

Imagem de RODNAE Productions em Pexels

44% dos talentos de e-Sports do Sul são do Paraná

CV Bonde
19 nov 2021 às 17:46

Os jogos eletrônicos não param de crescer, e o Paraná é a prova disso. De acordo com levantamento da Betway, site de esports bets, 44% dos jogadores da região Sul são paranaenses. Porém, a região que possui mais competidores é a Sudeste.  


Para chegar a esse e outros números, a pesquisa considerou a cidade de origem de 140 jogadores de Global Offensive (CS:GO), League of Legends, Rainbow Six: Siege (R6) e Free Fire. Além do mais, o estudo descobriu ainda os motivos que fazem algumas localidades estarem se destacando mais do que outras. Confira! 


17% dos competidores são do Sul e 58% do Sudeste 

Ao contrário de outras modalidades esportivas, como o futebol, que possui representantes em todo o país, os jogos eletrônicos têm uma distribuição bastante específica. No total, 75% dos competidores são do Sul ou do Sudeste.  


A região Sudeste, aliás, é o berço de 58% dos jogadores. Já o Centro-Oeste possui apenas 6%, o Nordeste tem 8% e o Norte conta com 9%.  


Quando se olha para os estados, também há aqueles que se destacam mais, como é o caso do Paraná. No entanto, São Paulo é o berço nacional dos jogadores de e-Sports. Dos entrevistados para a pesquisa, 53 são paulistas, ou seja, 38%.  


O segundo lugar no ranking é ocupado pelo Rio de Janeiro, com 15 jogadores, seguido por Minas Gerais que tem 14. 


Diferenças por jogos

A pesquisa da Betway observou ainda que existe uma grande diferença dependendo da modalidade de jogo. O estudo não registrou, por exemplo, jogadores de Rainbow Six:Siege, enquanto o Norte não possui talentos de CS:GO. Por sua vez, League of Legends e Free Fire contam com jogadores de todas as partes do país.  


O levantamento também apontou algumas das que podem ser as causas para a concentração de jogadores no Sul e Sudeste. Primeiramente, por ser um jogo eletrônico, ele depende de internet e, muitas vezes, de uma máquina potente para que as competições possam acontecer.  


Embora a internet tenha se expandido bastante nos últimos anos, ela ainda não é de boa qualidade na maior parte do país. Até mesmo cidades grandes como São Paulo possuem baixa cobertura em alguns bairros. No caso de locais com menos infraestrutura, como Norte e Nordeste, essa realidade é ainda mais evidente.  


Além do mais, a questão de ter um computador potente divide a população. Uma máquina com a configuração ideal pode custar mais de R$ 4 mil, o que não é acessível para todos. Isso explica por que o Free Fire é tão popular, por exemplo, por se tratar de um jogo mobile. Dessa forma, mais pessoas conseguem acessá-lo.  


Caso haja mais investimento nessa área e a tecnologia melhore, os jogos eletrônicos poderão se tornar mais democráticos. Enquanto isso não ocorre, é provável que São Paulo siga como o berço dos jogadores. Até porque, grande parte dos eventos acontecem no estado. Para os próprios jogadores, as maiores oportunidades estão lá. “Se não morasse em São Paulo, não teria seguido a carreira de jogador profissional, já que as melhores oportunidades estavam na capital”, afirma Renato “nak”, um dos destaques do Counter-Strike. 

Continue lendo