11/05/21
PUBLICIDADE
Previna-se!

Cientistas elencam fatores de risco da 'Covid longa', que pode durar meses

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Mulheres mais velhas e que têm vários sintomas da Covid-19 simultaneamente correm mais risco de desenvolver o que os especialistas têm chamado de "Covid longa", na qual os efeitos da doença podem continuar durante meses a fio, afirma um estudo britânico.


Não se trata, aliás, de uma situação rara. A pesquisa, coordenada por Claire Steves, do King's College de Londres, mostrou que 13,3% dos infectados relatou ter enfrentado sintomas por um mês ou mais, enquanto a média dos que tiveram a Covid-19 é de 11 dias.

Os dados acabam de ser publicados em artigo na revista científica Nature Medicine e foram obtidos graças à participação de mais de 4.000 pacientes no Reino Unido, nos EUA e na Suécia, que se cadastraram num aplicativo usado pelos pesquisadores para monitorar seu estado de saúde. Embora as informações tenham sido recolhidas durante a primeira onda de infecções pelo coronavírus Sars-CoV-2 na Europa e na América do Norte, entre março e setembro de 2020, Steves afirma que elas provavelmente continuam refletindo o cenário atual da doença.

"Continuamos a acompanhar os casos de Covid longa depois dessa análise, e temo que não estejamos vendo uma redução dos casos com sintomas persistentes, apesar das melhoras no tratamento da Covid aguda [ou seja, logo após a infecção] nos hospitais", contou a pesquisadora à Folha. Por outro lado, uma notícia menos ruim, diz ela, é que o aparecimento de novas variantes do vírus não parece ter piorado essa situação. "Devemos publicar dados sobre isso em breve."

A equipe do King's College incluiu no estudo apenas pessoas que disseram ter tido resultado positivo (ou seja, que atesta a presença do vírus no organismo) em testes do tipo PCR, considerados os mais confiáveis. A incidência da Covid longa foi 50% mais comum em mulheres e duas vezes mais frequente em pessoas com mais de 70 anos.

O primeiro dado parece surpreendente, uma vez que, no mundo todo, a maioria das mortes causadas pela doença tem se concentrado na população masculina. "A questão é que os homens tendem a ter sintomas mais severos na fase inicial da doença", explica Steves. "Pode ser que isso se deva a diferenças na maneira como homens e mulheres relatam seus sintomas, mas pode também ter a ver com diferenças nas respostas imunes ao vírus entre homens e mulheres. É algo que precisamos de mais pesquisas para entender."

Quase todas as pessoas afetadas pela versão da doença com efeitos a longo prazo relataram ter sentido fadiga e dores de cabeça intermitentes. Muito comuns também eram a perda do olfato e do paladar e sintomas respiratórios. Além disso, uma funcionalidade do aplicativo também ajudou os cientistas a ter uma visão mais clara de como a Covid longa tem características próprias.

É que, além de poder clicar numa lista de sintomas pré-selecionados pelos criadores do programa, os pacientes também podiam digitar outros sintomas. Em mais de 80% dos casos, quem tinha Covid longa optava por usar essa funcionalidade (contra 45% dos que tiveram "Covid curta"). Entre as manifestações citadas por eles estavam os sintomas cardíacos (palpitações, taquicardia), problemas de concentração e/ou memória, zumbidos e dores de ouvido, sensação de picadas na pele ou insensibilidade.

O estudo aponta que a presença de mais de cinco desses sintomas na primeira semana de doença é uma boa maneira de prever o aparecimento futuro da Covid longa. Os pesquisadores defendem que é importante pensar em estratégias para que os sistemas de saúde cuidem desses casos, que estão se tornando cada vez mais numerosos mundo afora.

Os fatores ligados à "Covid de longa duração" - Estudo britânico no qual 4.182 pessoas foram acompanhadas por aplicativo mostrou que:
- 13,3% tiveram sintomas durante um mês ou mais
- 4,5% durante dois meses ou mais- 2,3% durante três meses ou mais
- Já a duração média dos sintomas no grupo todo foi de 11 dias

As formas mais duradouras da doença estão associadas a:
- Idade mais avançada (10% dos doentes entre 18 e 49 anos versus 21,9% dos maiores de 70 anos)
- População feminina (14,9%, contra 9,5% dos homens)
- Asmáticos
- Mais de cinco sintomas diferentes na primeira semana da doença
Redação Bonde com Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Comemoração!

UEM completa 45 anos com mais de 75 mil profissionais formados

11 MAI 2021 às 11h13
Saiba mais

Projeto de professores usa inteligência artificial e relógio contra depressão

11 MAI 2021 às 08h20
Conheça as Obras do Jardim

Museu de Arte de Londrina comemora aniversário com exposição virtual

10 MAI 2021 às 17h35
Veja os depoimentos!

Pesquisa aponta que 79% de mulheres que atuam na música são discriminadas

10 MAI 2021 às 17h21
É até quinta!

Prouni: começa entrega de documentos para bolsas remanescentes

10 MAI 2021 às 16h38
Cuide-se na pandemia!

Professora da UEL orienta sobre hábitos e alimentos que melhoram a imunidade

10 MAI 2021 às 16h25
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados