Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Preciosidade

Cientistas encontram mapa celestial de 2,4 mil anos na Itália

Ansa Brasil
29 dez 2023 às 21:24
- Instituto Nacional Italiano de Astrofísica
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Foi descoberta em Carso Triestino,  Itália, uma pedra circular com 29 inscrições que pode representar o mapa celeste mais antigo do mundo: com ao menos 2,4 mil anos de idade, ela retrataria as estrelas de Escorpião, Órion, Plêiades e Cassiopeia, além de uma supernova desaparecida, em um ponto do céu onde atualmente poderia estar um buraco negro.


O achado consta em um estudo publicado na revista Astronomische Nachrichten, a revista de astronomia mais antiga em atividade, pelo astrônomo Paolo Molaro, do Instituto Nacional de Astrofísica de Trieste, e pelo arqueólogo Federico Bernardini, da Universidade Ca' Foscari de Veneza.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os especialistas começaram a colaborar há aproximadamente dois anos, quando foram localizadas duas grandes pedras circulares na entrada do Castelliere di Rupinpiccolo, com cerca de 50 centímetros de diâmetro e 30 de espessura, datando de um período de 1800 a.C. a 400 a.C.

Leia mais:

Imagem de destaque
Prestigie.

Via Rural da ExpoLondrina é um espaço educativo e divertido sobre insetos

Imagem de destaque
No Brasil

Uso de canabidiol para tratar dependência de crack é melhor do que remédios convencionais, diz estudo

Imagem de destaque
A partir das 17h

UEL: Cops divulga resultado do processo seletivo para vagas remanescentes nesta sexta

Imagem de destaque
Diz ministra

Aprovados no Concurso Nacional Unificado terão curso de formação


Uma das pedras não tem outras marcas de trabalho além do corte circular e pode representar o disco solar, enquanto a outra pode ser o mapa celeste mais antigo já descoberto.

Publicidade


Na superfície, há 29 inscrições, 24 de um lado e cinco do outro.


Todos os sinais estão distribuídos de forma irregular, no entanto, com uma orientação comum: como se fossem esculpidos pela mesma pessoa, usando um martelo e um cinzel rudimentares de metal com uma ponta de 6 a 7 milímetros.

Publicidade


Uma ferramenta de bronze compatível foi achada a alguns quilômetros de distância, no Castelliere di Elleri, e está preservada no Museu Arqueológico de Muggia.


Graças às simulações feitas com um software que reconstrói a abóbada celeste de épocas passadas, os pesquisadores localizaram uma sobreposição estatisticamente significativa entre 28 dos sinais esculpidos na pedra e as estrelas de Escorpião, Órion, Plêiades e Cassiopeia.

Publicidade


Quanto ao 29º sinal, os estudiosos sugerem que poderia representar uma supernova que não existe mais, um dos objetos que os astrônomos chamam de transitórios porque aparecem e depois desaparecem novamente. Se for assim, naquele ponto do céu, atualmente, poderia haver um buraco negro.


Ainda resta entender quem poderia ter esculpido a pedra. Sabe-se que os habitantes que viveram naquele período no Castelliere não conheciam a escrita.

Publicidade


Se a inscrição realmente fosse um mapa celeste, demonstraria a existência de uma surpreendente curiosidade pela astronomia já na Europa proto-histórica.


A representação do céu noturno mais antiga conhecida até os dias atuais é provavelmente o Disco de Nebra, um artefato de bronze com aplicações em ouro indicando o Sol, a Lua e as Plêiades. Proveniente da Alemanha, é datado por volta de 1600 a.C.


Para mapas “fiéis” do céu, é necessário aguardar o século 1 a.C., a época dos mapas derivados provavelmente do catálogo de Hiparco, datado de 135 a.C.


Imagem
Com apenas uma edição, Sisu de 2024 abrirá inscrições em 22 de janeiro
As inscrições para o Sisu (Sistema de Seleção Unificada) serão abertas em 22 de janeiro. Pela primeira vez, o processo seletivo acontecerá apenas no início do ano e não terá uma segunda edição em junho.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade