Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução/Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Defensoria propõe medidas

Mais da metade dos alunos trans da USP dizem sofrer preconceito

Redação Bonde com Agência Brasil
14 jul 2021 às 15:23
Continua depois da publicidade

Um mapeamento feito pela Coletiva Intertransvestigênere Xica Manicongo, de estudantes da USP (Universidade de São Paulo), mostrou que 52% dos 88 estudantes que se identificaram como transgênero, travestis, transvestigêneres e não-binários foram alvo de ações transfóbicas na instituição.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


No mapeamento, a coletiva listou uma série de problemas enfrentados pelos alunos trans dentro da USP. Entre eles, estão a falta de preparo de professores e de profissionais de segurança e terceirizados para lidar com pessoas trans, gerando episódios de constrangimento aos alunos, além de dificuldades para a aceitação do nome social dentro da instituição.

Continua depois da publicidade


A Coletiva Xica Manicongo listou uma série de relatos dos alunos, que vão desde o fato de professores se recusarem a usar o seu nome social quanto a problemas enfrentados no uso do banheiro. "Já passei por muitos constrangimentos ao entrar em banheiros femininos, sejam em quaisquer institutos da USP. O processo de regularização do nome social demorou demais, provocando situações de desrespeito por parte de professores quanto ao nome social, pronomes e etc. Sinto que meu corpo é objetificado dentro dos espaços universitários", denunciou um dos estudantes ouvido no estudo.


O mapeamento foi encaminhado à Defensoria Pública que, por sua vez, elaborou uma carta de recomendações à USP para que episódios de violência e de preconceito contra os alunos trans não mais ocorram dentro da universidade.


O prazo de resposta foi de dez dias, mas a Defensoria disse que, até o momento, não obteve resposta.

Continua depois da publicidade


Recomendações - No documento encaminhado à USP no final de junho, a Defensoria solicita que a universidade garanta o uso do nome social dentro de suas dependências. O nome social, segundo a Defensoria, deve ser usado tanto no tratamento interpessoal quanto em email e documentos utilizados internamente na universidade, tais como listas de presença e divulgação de processos seletivos para Programas de Iniciação Científica.


Segundo a Defensoria, nesses documentos deve constar apenas o nome social indicado pela pessoa e não sua identificação civil, para que ela não seja exposta a situações vexatórias e discriminatórias. "A vinculação entre nome social e identificação civil deve ser limitada apenas aos registros administrativos estritamente necessários e mantida sob sigilo”, recomendou o órgão no documento encaminhado à USP.


Outra recomendação é para que a USP assegure a utilização de banheiros de acordo com o gênero com o qual os alunos se identificam, sem que essas pessoas sejam perseguidas ou vigiadas durante o uso.


Medidas da USP - Procurada pela reportagem, a USP respondeu que desde 2010 um parecer da universidade já prevê a utilização do nome social em documentos oficiais e internos da graduação. Por esse parecer, a USP informa que, no cadastro da graduação, o nome social escolhido pelo estudante deve aparecer automaticamente antes do nome civil. Já nos documentos internos (como lista de presença e de frequência, por exemplo) o nome social deve constar desacompanhado do nome civil. Já nos documentos externos (como diploma e histórico escolar), a forma utilizada é o nome social acrescido pela frase "civilmente registrado como”, seguido pelo nome civil.

A USP informou também que criou o Programa USP Diversidade, que tem o objetivo de desenvolver ações que estimulem a inclusão, a igualdade, a solidariedade, a promoção e o fortalecimento do respeito aos direitos humanos. A universidade disse ainda que há diversas iniciativas formadas pelos próprios estudantes que funcionam dentro das unidades da USP.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade