Pesquisar

Canais

Serviços

- Pixabay
Enfrentamento da pandemia

Senado aprova projeto que incentiva doação para pesquisas sobre Covid

Washington Luiz - Folhapress
19 ago 2021 às 10:00
Continua depois da publicidade


O Senado aprovou nesta quarta-feira (18) um projeto de lei que concede incentivo tributário a empresas que financiarem projetos relacionados ao enfrentamento da pandemia de Covid-19. O texto sofreu alterações e volta à Câmara dos Deputados.

Continua depois da publicidade

A proposta permite que as empresas façam doações para apoiar a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação de iniciativas que pretendem mitigar os efeitos do coronavírus. Os recursos deverão ser repassados para o Programa Prioritário Pró-Pesquisa
Covid-19, que será regulamentado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

Continua depois da publicidade


Pelo projeto, as empresas que aderirem ao programa poderão deduzir do Imposto de Renda o total de doações realizadas. O desconto não poderá ultrapassar 30% do valor devido. Se a empresa for da área de saúde, o limite será de 50%.


Uma das mudanças acatadas pelo relator da matéria, senador Izalci Lucas (PSDB-DF), foi a que autoriza que os recursos previstos das emendas de relator à lei orçamentária de 2021 possam ser remanejados para destinar orçamento ao programa.

Continua depois da publicidade


"A emenda não tem impacto fiscal, apenas redirecionando recursos previstos no orçamento para prioridades públicas. Há um saldo a empenhar de R$ 12,5 bilhões nas emendas de relator", argumentou Jean Paul Prates (PT-RN), que sugeriu acrescentar o dispositivo no texto.


Para Izalci Lucas, a proposta representa um complemento às ações do governo no combate à pandemia e tem "o potencial de iniciar uma cultura de doações privadas para projetos de pesquisa de interesse nacional".


O total de deduções do programa está limitado a R$ 1,4 bilhão, sendo R$ 400 milhões em 2021, R$ 600 milhões em 2022 e R$ 400 milhões em 2023.


Esse incentivo fiscal será compensado pelo aumento das alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) incidentes sobre o lucro obtido com a venda de participações societárias.


Atualmente, as empresas pagam 0,65% de PIS e 4% de Cofins. De acordo com as regras do texto, as alíquotas subirão respectivamente para 2% e 5%. As taxas voltarão aos patamares anteriores quando forem atingidos os limites de deduções.


O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), apoiou o projeto, mas alertou que o Ministério da Economia é contra o aumento das alíquotas e pediu para que seja encontrada uma solução na Câmara dos Deputados.


"Nós temos uma situação de elevação de alíquotas que vai na contramão do que o governo defende, o governo está procurando reduzir alíquotas. O governo vai apoiar a tramitação, mas fazendo essa ressalva para que a gente possa encontrar um mecanismo que evite a elevação das alíquotas do Pis/Cofins até o fim da tramitação", ressaltou Bezerra.


Caso o projeto seja aprovado pelos deputados e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), as novas alíquotas e a permissão para deduzir o valor doado pelas empresas devem entrar em vigor só a partir do quarto mês de publicação da eventual futura lei. Isso ocorrerá por conta da regra de noventena.


Caberá ao governo divulgar a relação individualizada das instituições que aderirem ao programa com os respectivos valores transferidos ao ministério.

A proposta determina que os valores arrecadados sejam destinados exclusivamente por Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) credenciadas no ministério.


Continue lendo