Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Audiovisual

Streaming educativo já é realidade na educação brasileira

Janaína Ávila/Especial para a Folha de Londrina
09 nov 2021 às 08:30
Continua depois da publicidade

A pandemia trouxe uma nova realidade para educadores: o uso da tecnologia se tornou matéria obrigatória. Algumas ferramentas, velhas conhecidas de alunos e professores, ganharam uma nova vida acompanhando a evolução dos hábitos, depois de tanto tempo longe das salas de aula e com o avanço do ensino remoto. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O audiovisual, que já há muitos anos acompanha as matérias das escolas, agora tem uma plataforma de streaming de vídeos edutaiment, gênero que une educação e entretenimento. Trata-se da Tamanduá EDU que traz no catálogo, séries e filmes sobre um universo de conhecimento disponível aos estudantes e profissionais da educação.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


São mais de seis mil filmes, séries, desenhos e documentários exibidos em festivais nacionais e internacionais sobre música, arte, cinema, filosofia, educação e sociedade, além de mais de mil peças de jornalismo cultural. 


Ana Gabriela Lopes é diretora executiva do grupo de mídia Curta!, especializado em curadoria de conteúdos relevantes e explica que todo o conteúdo audiovisual da Tamanduá EDU – que faz parte do grupo – está em sintonia com a BNCC (Base Nacional Curricular Comum), com o Enem e atende as novas exigências do Novo Ensino Médio, como a formação profissional e as trilhas formativas.


“Temos algumas coleções de trilhas de orientação de carreiras, onde um aluno tem a oportunidade de aprender com grandes mestres através dos documentários dedicados. Temos coleções de conteúdo tangibilizando as competências da BNCC que ainda não entrou no sangue dos educadores, é uma novidade. Através dessas coleções, ajudamos a tornar tudo mais palpável tanto para a equipe de professores quanto para os alunos. Os professores podem montar as suas próprias coleções de títulos ou canais e compartilhar o URL direto aos alunos”, explica. 

Continua depois da publicidade


Continue lendo na Folha de Londrina.

Continue lendo