Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação
Acompanhe pelo YouTube!

Universidades do Paraná promovem campanha de combate ao racismo no ensino superior

Redação Bonde com Agência UEL
08 set 2021 às 17:19
Continua depois da publicidade

As Universidades estaduais do Paraná – UEM (de Maringá), UEL (de Londrina), Unioeste (do Oeste do Paraná), UEPG (de Ponta Grossa), Unicentro (do Centro Oeste), Uenp (do Norte do Paraná) e Unespar (Universidade Estadual do Paraná)– têm desenvolvido várias ações para o combate ao racismo no Ensino Superior, no âmbito da pesquisa, ensino e extensão, dentro da 2ª Campanha de Erradicação do Racismo na Educação Superior na América Latina. Para avançar e fortalecer a campanha, as instituições estão propondo executar e divulgar um conjunto de iniciativas que já começaram a ser desenvolvidas pelas universidades participantes da proposta, a fim de promover um intercâmbio e dar mais visibilidade aos trabalhos em andamento. A Mesa de Abertura da campanha será nesta quinta-feira, 9, com início às 17h. Acompanhe a transmissão no canal do YouTube da UEPG

Continua depois da publicidade


A UEL integra a “Iniciativa para a Erradicação do Racismo na Educação Superior” – Iniciativa para la Erradicación del Racismo en la Educación Superior – proposta pela Cátedra da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) para Educação Superior, Povos Indígenas e Afrodescendentes na América Latina. A campanha “UEL na Luta contra o Racismo” foi idealizada por professores e estudantes de vários Centros de Estudos.

Continua depois da publicidade


As atividades serão desenvolvidas até 15 de novembro de 2021. Uma delas é a produção de microvídeos. Cada universidade produzirá dois sobre as ações desenvolvidas pela própria instituição, um sobre as políticas de ação afirmativa e outro sobre as iniciativas de combate ao racismo. Cada um terá a duração de até 3 minutos e serão disponibilizados numa página das redes sociais criadas no âmbito desta proposta, com os links de cada instituição participante.


Outra ação é uma Roda de Conversa a ser realizada, ainda em setembro, de forma remota, para lançamento da campanha contra o racismo nas universidades estaduais do Paraná. Os convidados são docentes, discentes negros cotistas, quilombolas e discentes indígenas. Serão utilizados dois microvídeos produzidos pela Cátedra Unesco Educação Superior e Povos Indígenas e Afrodescendentes para possibilitar o intercâmbio e o conhecimento da realidade da América Latina nesse processo de luta contra o racismo. 

Continua depois da publicidade


Uma terceira ação é a gravação de microvídeos com discentes e docentes negros, quilombolas e indígenas sobre as vivências e as possibilidades de combate ao racismo nas universidades. A produção do material terá como parâmetro os materias audiovisuais já produzidos pela referida Cátedra Unesco.


A quarta ação será a realização do “II Seminário Ações Afirmativas no Ensino Superior: desafios e possibilidades”. O evento será realizado de forma remota na primeira semana de novembro e contará com palestras, minicursos e oficinas.


A quinta ação será o “II Seminário sobre o racismo estrutural e institucional nas Instituições de Ensino Superior: Racismo, antirracismo e a BNCC (Base Nacional Comum Curricular)”, a ser realizado de forma remota na segunda semana de novembro, contando com palestras e rodas de conversa.


A sexta ação será a organização de um webinário sobre história e resistência da população negra e indígena no Paraná, a organização dos espaços será realizada por docentes, discentes negros, indígenas, quilombolas e/ou que tenham pesquisas na área. As oficinas e palestras serão transmitidas pela plataforma Google Meet. A palestra principal terá como tema História, resistência e protagonismo da população negra no Paraná e no Brasil.


A sétima ação consiste em quatro oficinas: 


A) Negritude e Universidade, para abordar e problematizar as dificuldades da população negra no acesso ao Ensino Superior, além do racismo institucional presente neste espaço. 


B) Saúde da População Negra, para discutir a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra; 


C) “Descolonizando costumes”: a ideia é desmistificar costumes, artefatos, religiões, festividades e pensamentos da cultura Indígena e afrobrasileira, comercializados e rotulados a partir de uma visão eurocêntrica; 


D) Literatura antirracista – Diálogos Literários – Leia Mulheres. Busca a representatividade e visibilidade dos diferentes setores da sociedade, a fim de combater a desigualdade de gênero e de vozes silenciadas.


Resultados - Para a professora Maria Nilza da Silva (Departamento de Ciências Sociais), diretora do Neab (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros), são muitas ações, e muito variadas, o que cria uma grande dinâmica interinstitucional. Além disso, ao final das ações, no fim do ano, deve haver uma apresentação geral sobre os resultados alcançados. A professora observa ainda que a participação ativa de estudantes de graduação e pós-graduação fortalece ainda mais as ações.

Continue lendo