Pesquisar

Canais

Serviços

Polêmica

Gramado nos estádios de futebol vira tema de debate no Brasil e no mundo

Sergio du Bocage - TV Brasil
24 nov 2023 às 11:42
- Vitor Silva/Botafogo
Publicidade
Publicidade

Três notícias chamaram a atenção recentemente sobre a discussão de gramados no futebol. A primeira foi sobre decisão da Eridivisie CV, entidade que comanda o futebol nos Países Baixos, de banir do Campeonato Holandês os gramados sintéticos a partir de 2025. A segunda, em Belo Horizonte-MG: o gramado da nova arena do Atlético-MG, possivelmente, será sintético. E a terceira veio com a onda de calor no Rio de Janeiro: o Flamengo mediu a temperatura em quatro campos de futebol no CT (Centro de Treinamento) - o Ninho do Urubu, em Vargem Grande, zona oeste. Os termômetros nos dois campos de grama sintética chegaram a marcar 70 graus Celsius. 


O Flamengo mediu a temperatura no CT do NInho do Urubu na última sexta (17). Enquanto nos campos de grama natural (2 e 3) a temperatura não passou dos 45 graus, nos demais os termômetros chegaram a 70 graus.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade



Não é de hoje que o futebol brasileiro entra nessa discussão. Tudo começou em 2016, quando o Athletico Paranaense adotou o gramado sintético na arena da Baixada. Na época, com mais de 80% de aproveitamento nos jogos disputados em casa, o Furacão garantiu vaga na Copa Libertadores do ano seguinte. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Novidades

Após reformulação, revelações da base do Londrina EC ganham espaço

Imagem de destaque
4 anos e meio de prisão

Condenação de Daniel Alves é medida exemplar contra o machismo, diz vice-presidente da Espanha

Imagem de destaque
Relação não foi consentida

Daniel Alves: Ex-jogador é condenado a 4 anos e meio por estupro

Imagem de destaque
Momento de brilhar

Copa do Mundo Palhano: a experiência profissional que todo jogador amador sonhou um dia


O desempenho incomodou e, assim, teve início um movimento entre os clubes, liderados pelo então presidente do Vasco, Eurico Miranda, para que todos os gramados da Série A fossem naturais. Entretanto, na reunião do Conselho Técnico de Clubes, em fevereiro de 2018, o clube paranaense conseguiu a adesão de outros times participantes do Brasileirão e garantiu votos suficientes para que a grama sintética fosse aceita. 

Publicidade


No momento, há mais dois gramados sintéticos no país e, curiosamente, diferentes entre si. No Allianz Parque, o Palmeiras mudou o piso em 2020 e, na primeira temporada, teve aproveitamento superior a 70% em casa, além de faturar os títulos estadual e o da Copa Libertadores. Neste ano, a mudança ocorreu no Nílton Santos, casa do Botafogo. O Alvinegro carioca venceu todos os adversários em casa, no primeiro turno do Brasileirão, o que lhe proporcionou, então, uma vantagem inédita na liderança do campeonato. 



Para além da disparidade de desempenho em casa dos times que adotaram o gramado sintético, duas outras questões são debatidas: o jogador fica mais suscetível à lesão? E por que as principais ligas europeias não permitem o gramado sintético em seus jogos? Além disso, vale ressaltar que a Fifa, entidade que regula o futebol no mundo, até autoriza jogos em grama artificial, mas nas competições por ela organizadas, o gramado precisa ser, no mínimo, 90% natural. 

Publicidade


Para o fisiatra Robson de Bem, especialista em Medicina do Exercício e do Esporte, nenhum estudo europeu ou americano aponta diferenças significativas entre os dois tipos de gramados. No entanto, ele ressalta que, nos dois últimos anos, nos três gramados sintéticos na Série A, houve sete jogadores com lesões graves, enquanto nos outros 17 (gramados naturais ou híbridos) foram 16.


 “É sabido que na grama sintética o impacto nas articulações é maior, a bola corre mais rápido e isso exige mais do atleta, nos aspectos metabólico e físico. Por conta disso, a recuperação no pós-jogo demanda mais tempo”, destaca o médico. 

Publicidade


Já o fisioterapeuta Antonio Ricardo, que trabalhou na Copa da Alemanha (2006) com a seleção do Japão, alerta.


“O atleta precisa adequar o treinamento ao piso, para se adaptar ao máximo ao controle da bola e à velocidade da partida. Com isso, ele minimiza a possibilidade da lesão”. 

Publicidade


O jornalista Tim Vickey, da BBC de Londres, comenta que, quando jovem, viu muitos jogos da Premier League, o Campeonato inglês, serem disputados em “lama total”.


“Era lastimável, principalmente no período de novembro a março”, recorda. 

Publicidade


Mesmo assim, os ingleses não buscaram a solução na adoção da grama sintética, mas sim na profissionalização do cuidado com os gramados.


“Bastou contratarem profissionais, adotar tecnologia, e os campos viraram tapetes. Se lá foi possível, porque não aqui, com condições climáticas bem mais favoráveis? Basta que se adote o bom estado do gramado como uma prioridade para o espetáculo”, pontua o jornalista britânico.

Publicidade



Já o jogador não precisa estar lesionado para deixar de jogar na Série A. Uma das principais contratações do futebol brasileiro na atual temporada, o uruguaio Luis Suárez, do Grêmio, não entra em campo quando o gramado é sintético. Em coletiva, ele mesmo afirmou evitar .


“Todos sabem do problema que tenho no joelho e jogar no campo sintético, para mim, é muito difícil, eu sofreria muito e, por isso, procuro sempre evitar”, informou atacante uruguaio, deixando bem claro que jamais pediu qualquer privilégio no clube, nem tratamento diferenciado. 


A tecnologia tem sido a arma mais utilizada pelos clubes para fazer de seus estádios arenas multiuso sem prejuízo ao campo de futebol. O Schalke 04 (Alemanha) foi o primeiro a inovar, apresentando um gramado que desliza para fora do estádio, que é coberto, para receber a luz do sol. A novidade foi adotada pelo Saporo Dome (Japão). Na Inglaterra, o Tottenham guarda o gramado no subsolo e, com isso, consegue receber jogos da NFL (liga de futebol americano) em um piso sintético. O novo estádio do Real Madrid (Espanha) resguarda a grama natural para realizar show no Santiago Bernabéu. 



O Maracanã adota a grama híbrida. Em tese, o campo possui 90% de gramado natural e 10% de fibras sintéticas, porém, esse percentual varia de acordo com o crescimento da grama. No processo de mudança do piso, foram colocados 30 centímetros de areia e  neles foram plantados os estolões (tipo de caule) de grama natural, da variedade Bermuda Celebration (espécie com tolerância a ser pisoteada e rápida regeneração), já cultivada em fazendas na Região dos Lagos, no estado do Rio. Depois de 50 dias de adubação, irrigação e corte, com o campo já todo verde, uma máquina holandesa foi adquirida para “costurar” o gramado. As 180 agulhas injetaram a fibra sintética, a cada dois centímetros de extensão e a 18cm de profundidade, o que garante mais resistência ao campo. 


O ortopedista José Luiz Runco, campeão do mundo com a seleção no Mundial do Japão e da Coreia do Sul (2002), defende que o gramado híbrido é melhor alternativa.


“Para mim, o gramado híbrido será a grande solução para o futebol, pois ele permite um futebol de qualidade, com menos exposição do atleta às lesões”. 


Insatisfeito com o atual cenário, o goleiro Romero, do Boca Juniors ( Argentina), não vê a hora de uma solução definitiva ..


“É lamentável que a essa altura da vida eu tenha de me preocupar em jogar em gramado sintético. A Conmebol e a Fifa deveriam definir : ou se joga em gramado natural ou em híbrido. Gramado sintético é para hóquei”, sintetiza.


Imagem
Rodrygo sofre racismo depois de discussão com Messi e critica argentinos
O atacante Rodrygo, da seleção brasileira, foi alvo de ofensas racistas nas redes sociais após ter discutido com Messi no jogo no Maracanã
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade