Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Bronca

Leão volta a pedir mudança de atitude de Luis Fabiano

Agência Estado
08 jun 2012 às 13:07
Publicidade
Publicidade

A bronca pública de Leão em Luis Fabiano continuou sendo assunto no São Paulo nesta sexta-feira. Após repreender o camisa 9 pelo terceiro cartão amarelo seguido recebido por reclamação, que o deixará fora da equipe no clássico contra o Santos neste domingo, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro, o treinador voltou a falar do episódio e pediu mais calma ao jogador.

Leão procurou ser menos incisivo nas críticas, mas voltou a cobrar uma atitude mais serena de seu principal jogador. Para ele, Luis Fabiano ainda não aprendeu a se controlar e precisa corrigir o defeito.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"Ele tem mais de 30 anos e passou a maior parte da sua vida no exterior. O que existe é a questão do controle emocional que às vezes ele perde. Às vezes não basta só alisar. Passou a hora de diminuir esse efeito negativo nele e acho que será um aprendizado legal e uma orientação verdadeira. Esperamos que a inteligência dentro de campo seja a mesma para ele fazer os gols", afirmou o treinador.

Leia mais:

Imagem de destaque
Alívio

Como foi a maratona caótica de 1 mês do Corinthians até finalmente sair do Z4

Imagem de destaque
Passou Abel

Veja o que Zubeldía, do São Paulo, fez para se tornar o rei dos cartões

Imagem de destaque
Novo manto

Real Madrid lança uniforme laranja em campanha estrelada por brasileiros

Imagem de destaque
Entenda

Palmeiras ganhou mais de R$ 120 mi com Estêvão após bater o pé por multa


Mas as críticas públicas do técnico não se restringiram ao atacante após a fraca exibição contra o Inter. Fernandinho e Cortez também sofreram represálias por erros no Beira-Rio, fato raro para o comandante são-paulino. Leão minimizou as broncas e afirmou se tratar de um procedimento conhecido por todos.

"Tudo o que vocês reportam como crítica eu digo que é diálogo de rotina. Tivemos uma reunião hoje (sexta-feira) e chegamos à conclusão de que tivemos mais de 50% que não estiveram bem e pagamos com a derrota. Às vezes você precisa falar, não pode esconder as coisas. Quando você ajuda o atleta a descobrir isso, fica mais fácil para ele melhorar. A cobrança aqui é maior porque o retorno é maior", ponderou.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade