Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Após confusão

Palmeiras admite ser difícil evitar ausência de Henrique

Agência Estado
27 jun 2012 às 09:14
Publicidade
Publicidade

O Palmeiras já começa a se conformar por não contar com o zagueiro Henrique no primeiro jogo da final da Copa do Brasil, no dia 5 de julho, na Arena Barueri, mas não desiste da batalha para evitar a suspensão automática e promete lutar até o fim para ter o jogador na partida contra o Coritiba.

Diretores palmeirenses se reuniram na noite de segunda-feira e o clube tem até quinta para apresentar a sua defesa do caso. O julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no entanto, ainda não tem data marcada para acontecer.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"Estamos analisando todas as provas e estudando o melhor caminho para defender o jogador", afirmou Piraci de Oliveira, diretor jurídico do clube, ao comentar sobre a situação de Henrique, um dos titulares do time do Palmeiras.

Leia mais:

Imagem de destaque
Saiba mais

Romário tinha atalho para escapulidas e deu roupa para não apanhar em 1994

Imagem de destaque
Conheça a história:

Seleção cravou valor do bicho pelo tetra em guardanapo após trauma de briga

Imagem de destaque
Entenda

Por que o Flamengo pensa em ter um clube na Europa e tem Portugal como alvo

Imagem de destaque
Confusão

Caos na Copa América gera pressão da Fifa em Miami sobre Mundial de Clubes


Para César Sampaio, gerente de futebol, as chances de contar com Henrique no primeiro jogo contra o Coritiba são mínimas. "Eu mesmo editei as imagens (da expulsão contra o Grêmio, semana passada, pela semifinal do torneio) e passei para o departamento jurídico. Mas acho quase impossível ele não pegar pelo menos o jogo automático de suspensão", avaliou.

Na súmula da partida contra o Grêmio, o árbitro Ricardo Marques Ribeiro relatou que foi Henrique quem começou a confusão. "Aos 38 minutos do segundo tempo, expulsei diretamente o jogador Henrique, por partir em direção ao seu adversário Edilson de forma agressiva, além de gesticular de maneira ostensiva. Imediatamente, o jogador atingido revidou com um empurrão e um soco no rosto. Ato contínuo, eu o expulsei também", escreveu.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade