Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Dicas fundamentais

Como a preparação garante alimentos mais nutritivos

Redação Bonde com UFRJ
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Saiba como manter nos alimentos as vitaminas e outros compostos fundamentais para o bom funcionamento do corpo. De acordo com nutricionistas, saber prepará-los da maneira mais adequada é um ponto importante para garantir que o organismo esteja recebendo tudo aquilo de que ele precisa. Num simples processo de cozimento de um alimento vários nutrientes importantes podem estar sendo preservados ou destruídos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

De acordo com a nutricionista Ana Luisa Faller, doutoranda pela UFRJ, as regras de como cozinhar melhor variam de alimento para alimento. "Dependendo do que se quer ganhar no alimento e das diferentes formas com que se pode coccionar (fritar, assar, grelhar), podemos ter efeitos positivos ou negativos", explica, citando o exemplo do feijão. A prática comum de deixar os grãos de molho antes de cozinhá-los é acertada, de acordo com Ana Luisa. "Esse procedimento é responsável por retirar alguns fatores considerados antinutricionais, ou seja, aqueles que impedem a absorção de alguns minerais", detalha.

Continua depois da publicidade


Crus podem ser mais saudáveis


Contudo, a especialista afirma que essa é uma exceção, relacionada ao feijão e a outras leguminosas: a tendência é de que nutrientes se degradem no contato extensivo com o calor. "Grosso modo, é recomendável comer cru aquilo que for possível e já de costume, como frutas e hortaliças", orienta Ana. Segundo ela, isso é ideal em virtude da preservação do conteúdo de fibras desses alimentos, benéficas ao organismo.


Ana Luisa acrescenta ainda que, além do calor, a água usada ao cozinhar vegetais, por exemplo, pode também ser prejudicial para a manutenção dos compostos no alimento. "Algumas vitaminas, como as do complexo B e a vitamina C, são solúveis em água. No caso dessas substâncias, se cozinharmos com uma quantidade muito grande de água, elas irão se desprender do alimento e se perder", explica. "Para as pessoas que realmente não comem vegetais crus, o ideal é cozinhar por pouco tempo e com pouca água. No caso de cozinhar com água, uma boa dica é reutilizá-la em sopas, por exemplo", complementa a nutricionista.

Continua depois da publicidade


Há alternativas, como o crudivorismo (ou crudivismo), que optam pela ausência total de alimentos cozidos na dieta. A intenção é preservar ao máximo os nutrientes nos alimentos. Para Ana Luisa, é preciso ter cuidado com dietas desse tipo. "Tudo que é muito radical costuma ser um pouco complicado", comenta. De acordo com ela, certos vegetais, quando ingeridos sempre crus, podem acabar prejudicando. "Os vegetais verde-escuros, por exemplo, contêm ácido fítico (ou fitato), que, quando o alimento não é cozido, é mantido em uma quantidade muito alta, que impede a absorção de ferro, cálcio e outros nutrientes. Portanto, o ideal é ter um equilíbrio", explica.


Pior método: a vapor


Não é raro que máximas do senso comum sejam desmistificadas; portanto, é preciso estar sempre informado. Uma pesquisa, objeto da tese de doutorado de Ana Luisa, concluiu que, ao contrário do que se imaginava, a cocção a vapor não é a mais saudável. "O pior método para manter nos alimentos compostos bioativos chamados polifenóis foi exatamente a cocção a vapor, que é um método normalmente considerado o melhor pelo senso comum", relata a doutoranda.

Ana Luisa lembra que é possível conseguir informações mais detalhadas sobre as formas de preparo com um nutricionista. "Já existem diversos nutricionistas que, além da orientação sobre o que comer, também orientam muito bem como preparar, o que faz a diferença. São coisas simples, que todos podem fazer em casa sem atrapalhar a rotina, que podem enriquecer muito a alimentação", conclui.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade