Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Pipeline de Liderança

Os desafios da passagem de diretor para presidente

Equipe Caput
23 set 2016 às 11:38
Continua depois da publicidade

Em muitas companhias, o último nível de liderança é exercido por aquele executivo que chega à presidência. No post de hoje, mais um da série "Pipeline de Liderança", baseada nos estudos dos autores Ram Charan e Stephen Drotter, vamos falar da crítica passagem de uma posição de diretor ou gerente-geral para a de diretor geral ou presidente. Em outras palavras, a transição de gestor funcional para gestor de negócios.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

É importante ressaltar que, nas multinacionais, o quarto nível da liderança representa a presidência das operações em determinado país. Portanto, diferente do que ocorre nas companhias nacionais, não se trata do último degrau da liderança.

Continua depois da publicidade

Papel

Enquanto gestor funcional, esse diretor ou gerente-geral precisava ter uma visão completa do negócio, porém sua atuação localizava-se numa unidade fabril específica ou à frente de uma área funcional (operações, finanças ou marketing). Agora, na gestão do negócio, como presidente, terá que ver e agir no todo.

Ou seja, será o principal responsável por garantir a vantagem competitiva da companhia, aumentar a lucratividade, buscar o crescimento e manter o controle sobre o negócio. Uma missão e tanto.

Continua depois da publicidade

Desafios da passagem

Confira quais as principais mudanças necessárias na transição para este quarto nível da liderança:

– Ao assumir a presidência de uma empresa, o gestor de negócios precisa se conscientizar de que não é mais responsável por apenas uma área funcional, mas pelo negócio todo. É ele quem responde, em última instância, por aquilo que ocorre na companhia.

– Uma das possíveis dificuldades, neste momento, é a falta de experiência e conhecimento das diferentes áreas da organização. Se ele construiu a própria carreira apenas no setor administrativo e nunca se envolveu com a produção, por exemplo, terá dificuldades para compreender que melhorar a produtividade em apenas 2% exige um esforço enorme.

– Outro grande desafio é ser um comunicador capaz de inspirar os colaboradores da organização. Ele precisará desenvolver a capacidade de falar de forma objetiva e muito clara com todos os níveis da empresa. Terá que mexer positivamente com as pessoas.

– Como presidente, esse executivo deverá reunir uma equipe forte, afinal muito do seu trabalho acontecerá por meio dos diretores subordinados a ele. Mas é importante escolher pessoas com base não apenas na confiança e sim que sejam competentes para o trabalho.

Resumindo…

O cargo de presidente exige o conhecimento global do negócio e a valorização de todas as áreas funcionais da empresa – operações, marketing e finanças. Por isso, executivos que tiveram a oportunidade de construir uma trajetória em diferentes áreas, fugindo à tendência de uma carreira linear, têm grandes possibilidades de realizar essa transição com sucesso. Infelizmente, o contrário também é verdadeiro.

E o que a sua empresa pode fazer para que a transição seja bem-sucedida?

– Uma dica é ajudar o novo presidente a mudar a mentalidade. Agora, ele não é mais gestor funcional e sim do negócio. E um dos grandes problemas dessa passagem da liderança é o profissional simplesmente não entender o negócio e, por consequência disso, tomar decisões priorizando as áreas que têm mais afinidade.

– É imprescindível que a empresa o ajude a entender que não tem problema se mostrar incompetente de vez em quando. Na posição de presidente, ele precisa escutar mais do que falar. Ser humilde e estar disposto a aprender, conhecer como a empresa funciona no todo.

– Para ajudá-lo na transição, a companhia pode incentivar a participação do novo presidente em clubes ou associações onde ele possa estar em contato e trocar experiências com executivos que atuam no mesmo nível de liderança que ele.

Os desafios são cada vez maiores e mais complexos a cada passagem da liderança. Por isso a importância de as empresas promoverem o acompanhamento e dar o suporte necessário aos seus líderes. Afinal, ninguém cresce sozinho e o interesse em performar deve ser compartilhado entre executivo e organização.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade