Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Após 10 anos de testes

Cientistas desenvolvem armadilha para combater o mosquito da dengue

Solimar Luz - Agência Brasil
30 mar 2024 às 18:00
- Cacio Murilo de Vasconcelos
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Cientistas brasileiros desenvolveram uma ferramenta simples e de baixo custo que pode fazer toda a diferença no controle de pernilongos e do Aedes aegypti o mosquito que transmite dengue, zika, chikungunya e febre amarela urbana.


Batizado de MataAedes, o produto desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual do Norte Fluminense não é prejudicial ao meio ambiente, como explica Adriano Rodrigues de Paula, um dos autores da pesquisa. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"Não é tóxico para o meio ambiente e para os animais. A armadilha é fácil de usar. Depois aberta, pode ser colocada em cima de um móvel e já estará matando os mosquitos adultos. A armadilha funciona por 30 dias, durante dia e noite, matando os mosquitos. E depois precisa ser trocada, mas é descartável e 100% biodegradável e, então, apresenta vantagens promissoras em relação aos produtos no mercado atualmente.

Leia mais:

Imagem de destaque
Esteatose hepática

Cresce o número de jovens com gordura no fígado na América Latina

Imagem de destaque
Saiba mais

Anvisa discute regulamentação de cigarro eletrônico no Brasil

Imagem de destaque
33.998 casos em 2024

Internações por gripe e vírus respiratório infantil crescem no país, aponta Fiocruz

Imagem de destaque
Pacientes de até 12 anos

Unimed Londrina inaugura nova unidade de atendimento pediátrico 24 horas

Desenvolvido à base de um fungo, o mecanismo atrai e mata mosquitos em até 48 horas", de acordo com o pesquisador. 

Publicidade


"O fungo é um inimigo natural de insetos, encontrado comumente nas florestas. Nossa startup isolou esse fungo, cultivou no laboratório, e fez uma formulação para ser utilizada nas nossas armadilhas, para controlar mosquitos adultos. A armadilha simula um ambiente perfeito para o mosquito se esconder e descansar. Mas os eles acabam morrendo por causa da contaminação do fungo que está dentro da armadilha."


Imagem
Cardíacos precisam de cuidado redobrado com a dengue; Londrina teve aumento de mortes
A secretaria municipal de Saúde confirmou nesta semana mais três mortes em decorrência de dengue. As vítimas fatais foram dois homens, de 50 e 80 anos, e uma mulher, de 76 anos. Todos tinham doenças pré-existentes do coração.


Adriano explica que foram mais de 10 anos de testes, análises, monitoramento e controle biológico.

Publicidade


"E os resultados são animadores. Residências que recebem armadilhas com fungo têm redução de mais ou menos 80% da população de mosquitos, comparando com as residências que não recebem armadilhas com fungo. É mais uma ferramenta para o controle dos mosquitos Aedes aegypti e pernilongo, e deve ser utilizada com outras estratégias para o controle desse vetor, como a eliminação de criadouros a colocação de telas em janelas. A diminuição da população de mosquitos, consequentemente, reduzirá os índices de dengue, zika e chikungunya."


O estudo contou com apoio financeiro da Faperj (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro).


A armadilha foi aplicada em mais de 200 residências, estabelecimentos comerciais e espaços públicos em Campos dos Goytacazes e Barra de São João, no noroeste fluminense.


Imagem
Vacinação contra a dengue vai ser ampliada para mais 17 municípios da região de Apucarana
O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (27) a ampliação da vacinação contra a dengue para mais 154 municípios brasileiros, incluindo 17 do Paraná.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade