Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Cardiologista orienta

Cardíacos precisam de cuidado redobrado com a dengue; Londrina teve aumento de mortes

Pedro Marconi - Grupo Folha de Londrina
28 mar 2024 às 18:29
- Imagem de Freepik/Ilustrativo
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A secretaria municipal de Saúde confirmou nesta semana mais três mortes em decorrência de dengue. As vítimas fatais foram dois homens, de 50 e 80 anos, e uma mulher, de 76 anos. Todos tinham doenças pré-existentes do coração. Dos 16 óbitos por dengue neste ano em Londrina, nove os pacientes possuíam doença cardíacas, como hipertensão, cardiopatia e insuficiência. Ou seja, 56% do total de falecimentos.


Isso faz com que além da dengue em si, pessoas com doenças do coração também tenham que se preocupar com o tratamento que já fazem para os males que atingem um dos principais órgãos do corpo humano. O cardiologista Laercio Uemura explica que pessoas com insuficiência cardíaca, por exemplo, precisam tomar cuidado com a desidratação, mas também com a hidratação excessiva. “O principal tratamento contra a dengue é a hidratação. Mas como esse paciente tem a função do coração diminuída, repor um volume grande de água pode descompensar o coração”, detalha.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Pacientes que já tiveram infarto e fizeram angioplastia coronária e usam ácido acetilsalicílico – aspirina -, para “afinar” o sangue”, também demandam de atenção redobrada. “Dependendo da fase em relação a infarto, a pessoa ainda utiliza outros medicamentos que inibem a ação das plaquetas. Na dengue as plaquetas diminuem, somado aos remédios, aumenta o risco de sangramento desse paciente”, destaca.

Leia mais:

Imagem de destaque
Análise

Atendimentos por telemedicina no Brasil crescem 172% em 2023 após lei que regulamenta saúde digital

Imagem de destaque
Dia do beijo

De herpes à surdez, saiba quais são os riscos do beijo

Imagem de destaque
No Brasil

Uso de canabidiol para tratar dependência de crack é melhor do que remédios convencionais, diz estudo

Imagem de destaque
Das 9h às 13h

Londrina terá ação integrada de combate à dengue neste sábado; veja os bairros


Por outro lado, suspender os medicamentos pode deixar o doente mais exposto a quadros de infarto e angina. Por isso, o especialista indica que o correto é fazer acompanhamento. “Os pacientes com cardiopatia têm probabilidade maior de formas mais graves da dengue. Quem tem insuficiência, boa parte precisa internar quando tem dengue para avaliar o quanto pode receber de soro. Quem utiliza aspirina, só o médico pode orientar”, pontua. “O melhor caminho é prevenir e evitar a dengue”, frisa.


O médico afirma que a dengue promove uma complicação de forma direta no coração é mais difícil. “A dengue levar à inflamação do coração, miocardite, é pouco frequente, somente em casos graves”, comenta.


CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA:

Imagem
Pacientes cardíacos precisam de cuidado redobrado com a dengue
Cerca de 56% dos londrinenses que perderam a vida pela doença neste ano tinham problemas do coração
Imagem
Jovens caminham de Londrina a Cornélio Procópio em preparação para a Páscoa
São nos passos constantes que a reflexão sobre a Paixão, Morte e Ressureição de Jesus Cristo fazem da caminhada um percurso de fé e devoção.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade