08/04/20
32º/19ºLONDRINA
|
Pronunciamento

Bolsonaro contrariou órgãos de saúde e distorceu cenário sobre coronavírus

Em pronunciamento na noite desta terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou o fechamento de escolas e do comércio, contrariou orientações dos órgãos de saúde e atacou governadores.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil


​As declarações imediatamente provocaram repúdio de congressistas, governadores, no Judiciário e em diferentes setores da sociedade.

Em sua fala, Bolsonaro questionou procedimentos que têm sido adotados por todo o mundo, como o fechamento de escolas, e minimizou riscos da doença, como ao sugerir que as medidas de controle se restrinjam apenas aos mais velhos, além de contrariar órgãos de saúde e distorcer o cenário da pandemia.

O número de mortes por causa da Covid-19 subiu para 46 nesta terça-feira (24), segundo o Ministério da Saúde. É o maior salto em um único dia: 12. O primeiro óbito foi registrado no dia 17 deste mês. O país já soma, desde o início da crise do coronavírus, 2.201 confirmações da nova doença.

Em todo o mundo, até agora, são quase 110 mil casos e 19 mil mortes pelo novo coronavírus.

Leia a íntegra comentada do pronunciamento:

"Desde quando resgatamos nossos irmãos em Wuhan, na China, em uma operação coordenada pelos ministérios da Defesa e Relações Exteriores, surgiu para nós um sinal amarelo."

Bolsonaro se refere à operação de retirada de brasileiros na China, com avião da FAB (Força Aérea Brasileira), executada pelo governo federal em fevereiro.

"Começamos a nos preparar para enfrentar o coronavírus, pois sabíamos que mais cedo ou mais tarde ele chegaria ao Brasil. Nosso ministro da Saúde reuniu-se com quase todos os secretários de Saúde dos estados para que o planejamento estratégico de enfrentamento ao vírus fosse construído e, desde então, o doutor Henrique Mandetta vem desempenhando um excelente trabalho de esclarecimento e preparação do SUS (Sistema Único de Saúde) para atendimento de possíveis vítimas. Mas o que tínhamos que conter naquele momento era o pânico, a histeria e ao mesmo tempo traçar a estratégia para salvar vidas e evitar o desemprego em massa."

O presidente volta a usar termos que já havia adotado em ocasiões anteriores para se referir à pandemia. Quando a doença ainda parecia restrita à China, o principal efeito do coronavírus pelo mundo era na economia, com quedas históricas das bolsas em fevereiro.

"Assim fizemos, quase contra tudo e contra todos. Grande parte dos meios de comunicação foi na contramão. Espalharam exatamente a sensação de pavor, tendo como carro-chefe o anúncio do grande número de vítimas na Itália. Um país com grande número de idosos e com um clima totalmente diferente do nosso."

A explicação demográfica de Bolsonaro para a dimensão da tragédia na Itália já foi dada anteriormente, quando disse que o país europeu tinha população idosa como Copacabana, na zona sul do Rio. Segundo pesquisas, o clima mais quente do Brasil não é uma garantia de contenção do novo coronavírus.

"Um cenário perfeito, potencializado pela mídia, para que uma verdadeira histeria se espalhasse pelo nosso país. Contudo, percebe-se que, de ontem para hoje parte da imprensa mudou seu editorial: pede calma e tranquilidade. Isso é muito bom, parabéns imprensa brasileira."

O presidente se refere a mensagem dos apresentadores do Jornal Nacional, da TV Globo, na abertura da edição de segunda-feira (23), pedindo serenidade à população durante a crise.

"É essencial que o equilíbrio e a verdade prevaleçam entre nós. O vírus chegou, está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade."

Não houve nenhum órgão de governo federal ou local orientando a volta das atividades normais pelo país ou indicando que o risco de disseminação da doença tenha arrefecido. Em São Paulo, por exemplo, a ordem de fechamento de lanchonetes e restaurantes entrou em vigor justamente nesta terça-feira.

"Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa."

A adoção de medidas de restrição segue padrão parecido pelos estados. Todos os governadores, por exemplo, decidiram suspender as aulas da rede estadual. Em praticamente todo o país, órgãos estaduais funcionam com restrições e atividades de lazer foram reduzidas.

"O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima dos 60 anos. Então, por que fechar escolas? Raros são os casos fatais de pessoas sãs, com menos de 40 anos de idade. Noventa por cento de nós não teremos qualquer manifestação, caso se contamine."

O fechamento de escolas tem sido adotado como medida de controle em dezenas de países pelo mundo.

Até esta terça, 156 nações haviam fechado todas as suas escolas, segundo levantamento da Unesco. Na manhã desta quarta (25), a Rússia foi mais um país a determinar o fechamento de instituições de ensino devido ao Covid-19.

O órgão da ONU estima que 1,4 bilhão de alunos foram afetados pelas ações de resposta ao vírus, o que equivale a 82,5% dos estudantes de todo o planeta -cerca de 4 em cada 5.

Além disso, a OMS tem dado declarações alertando para os riscos que os mais jovens também correm na pandemia. "Para os mais jovens: vocês não são invencíveis", disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus. O Ministério da Saúde também tem orientado a população a evitar aglomerações.

Outro ponto. A verdade é que um passado de vida fisicamente ativa pode ajudar a ter uma velhice mais saudável, mas está longe de ser um escudo contra doenças. Além disso, é impossível prever como seria o quadro de uma infecção em qualquer pessoa, ainda mais uma nova, como a Covid-19.

"Ele tem um critério de risco, que é ter mais de 60 anos. Isso é inegável. Esse é um fator de risco independentemente do passado. O fator de risco é ter um passado grande", diz Wladimir Queiroz, infectologista do Instituto de Infectologia Emilio Ribas e consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia). Bolsonaro tem 65 anos.

"Devemos sim é ter extrema preocupação em não transmitir o vírus para os outros, em especial aos nossos queridos pais e avós, respeitando as orientações do Ministério da Saúde. No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho, como bem disse aquele conhecido médico daquela conhecida televisão."

A fala sobre o "conhecido médico" é uma ironia a Drauzio Varella, criticado anteriormente por Bolsonaro por causa de uma entrevista com uma presa transexual. O filho mais velho do presidente, senador Flávio Bolsonaro, compartilhou um vídeo de janeiro com comentários do médico sobre a situação naquele momento, sem acrescentar nenhum contexto, levando seus seguidores a acreditar que as declarações eram atuais.

"Enquanto estou falando, o mundo busca um tratamento para a doença. O FDA [órgão de controle de medicamentos] americano e o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, buscam a comprovação da eficácia da cloroquina no tratamento do Covid-19. Nosso governo tem recebido notícias positivas sobre este remédio fabricado no Brasil, largamente utilizado no combate à malária, lúpus e artrite."

O presidente já havia falado sobre a substância anteriormente, o que levou o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) a pedir que a população não usasse o medicamento como medida de prevenção. O ministro afirmou que não é possível saber se essa fórmula será decisiva ou não contra o coronavírus e que há efeitos colaterais.

"Acredito em Deus, que capacitará cientistas e pesquisadores do Brasil e do mundo na cura dessa doença. Aproveito para render minha homenagem a todos os profissionais de saúde: médicos, enfermeiros, técnicos e colaboradores que, na linha de frente nos recebem nos hospitais, nos tratam e nos confortam."

O presidente encerra o discurso sem falar de iniciativas de estímulo na economia contra as consequências da crise, embora seja pressionado a adotar mais medidas, principalmente na proteção social.

"Sem pânico ou histeria, como venho falando desde o princípio, venceremos o vírus e nos orgulharemos de estar vivendo nesse novo Brasil, que tem tudo, sim, tudo para ser uma grande nação. Estamos juntos, cada vez mais unidos. Deus abençoe nossa pátria querida."

A fala do presidente sobre histeria ocorreu no mesmo dia em que os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, foram adiados em um ano por causa do coronavírus, em decisão que não tem precedentes na história esportiva nos últimos 70 anos.
Felipe Bächtold - Folhapress
Conteúdo relacionado:
Evite a contaminação!
Período de isolamento é suficiente, mas requer cuidados
Saiba como lavar
Higienização correta das mãos é medida eficaz na prevenção do coronavírus, diz microbiologista
Fique atento!
Máscaras de tecido são ineficientes na prevenção ao coronavírus, diz Anvisa
Continue lendo
Saiba mais
Londrina terá Hospital de Campanha com 120 novos leitos
08/04/2020 18:10
Aumento de 20%
Brasil registra 800 mortes pelo novo coronavírus
08/04/2020 17:22
Boletim da Sesa
Paraná está com 550 casos confirmados de Covid-19 e 17 mortes
08/04/2020 16:13
Pandemia
Reino Unido registra recorde de 938 novas mortes em 24h
08/04/2020 15:44
Saiba mais
Campo Mourão tem quarta morte por novo coronavírus
08/04/2020 12:13
Veja mais e a capa do canal