Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Municípios decidem estratégias

Saúde amplia vacina contra a dengue com vencimento até 30 de abril para 4 a 59 anos

Folhapress
18 abr 2024 às 12:00
- Rovena Rosa/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Ministério da Saúde emitiu nota técnica na noite de quarta-feira (17) ampliando a vacinação contra a dengue para todas as pessoas de 4 a 59 anos, conforme aprovado pela bula do imunizante.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Boletim semanal

Saúde registra morte de bebê de nove meses por dengue no Paraná

Imagem de destaque
Cuide-se!

Covid mata mais do que dengue em 2024

Imagem de destaque
O ex-MC Bin Laden

MC Binn diz que vai iniciar um novo tratamento contra ansiedade: 'Se agravou na casa do BBB 24'

Imagem de destaque
Centro-Norte

Apucarana registra aumento de 79% de mortes por doenças respiratórias no primeiro quadrimestre

A estratégia tem como objetivo reduzir a perda das doses com vencimento no próximo dia 30 de abril e é válida somente para esse contingente próximo ao vencimento. Cabe aos municípios com doses da vacina próximas à data de vencimento a estratégia de ampliação.

Publicidade


Em um primeiro momento, a pasta recomenda a ampliação da faixa etária infantojuvenil, de 6 a 16 anos. Só após a inclusão desses grupos os municípios podem, se tiverem necessidade, ampliar para toda a população elegível conforme aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).


Segundo o ministério, todas as pessoas que receberam uma dose devem ter a segunda dose garantida.
A adesão à campanha de vacinação contra a dengue, atualmente recomendada só para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, é baixa no país.

Publicidade


A vacina Qdenga, produzida pela farmacêutica Takeda, foi aprovada em julho de 2023 para pessoas de 4 a 59 anos após estudos clínicos da vacina demonstrar eficácia geral de 80,2% na proteção contra a dengue. Os participantes foram acompanhados por 4,5 anos.


Pessoas com menos de 4 anos ou 60 anos ou mais não foram incluídas no estudo, por isso a vacina não foi aprovada para essas faixas etárias.

Publicidade


Em dezembro, após aprovação na Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS), a Qdenga foi incorporada ao SUS, e o Ministério da Saúde comprou 5,2 milhões de doses para a imunização neste ano. Devido à limitação de produção do laboratório, o quantitativo, suficiente para imunizar aproximadamente 1,1% da população, a recomendação foi de vacinar apenas crianças e adolescentes de 10 a 14 anos.


Iniciada em fevereiro, a vacinação contra a dengue tem tido baixa procura do público-alvo. Com o risco de vencimento das doses, municípios que não haviam recebido as doses em um primeiro momento fizeram solicitações à pasta, que fez um remanejamento das doses na última semana.


Em entrevista à Folha de S.Paulo na última segunda-feira (15), a Secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel disse não haver relatos dos estados e municípios que fizeram a pasta cogitar a criação de uma segunda estratégia.


"Nós não tivemos nenhuma notícia dos estados ou municípios de que estão com excesso de doses. Não fomos informados que haveria um grande número com possibilidade de vencimento para que a gente pudesse pensar em uma outra estratégia, então no momento, permanecemos nessa estratégia", afirmou.
A situação da última quarta-feira, porém, parece ter mudado a estratégia do ministério, que decidiu pela ampliação do público-alvo.


Imagem
'Ele estava vivo', diz advogada de mulher que levou cadáver para sacar empréstimo no Rio
A advogada que representa Érika de Souza Vieira Nunes, que levou o cadáver de um homem a uma agência do Itaú Unibanco, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, para sacar um empréstimo de R$ 17 mil, afirmou que o homem estava vivo


Imagem
PEC das Drogas é inconstitucional e deve agravar cenário de violência, apontam especialistas
Especialistas ouvidos pela Agência Brasil apontam que a medida, além de inconstitucional, deve agravar o cenário atual de violência, encarceramento e desigualdade social.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade