Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Vacina Spikevax

Com nova vacina da Covid-19, Paraná esclarece quem deve receber o imunizante

AEN
16 mai 2024 às 17:26
- Sesa-PR
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Paraná recebeu e distribuiu aos municípios 136.800 doses da primeira remessa da vacina Spikevax monovalente, fabricada pela farmacêutica americana Moderna, contra a Covid-19. O imunizante irá substituir todas as vacinas utilizadas até o momento contra o vírus da pandemia em todo Brasil.


De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina deve ser utilizada em toda a população entre 6 meses e 4 anos, 11 meses e 29 dias não vacinada ou com esquema vacinal incompleto das vacinas anteriores, dentro da rotina no Calendário Nacional de Vacinação Infantil. O esquema nesse caso é com duas doses.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Também pode ser utilizada para dose de reforço em grupos prioritários que, segundo recomendação do Ministério da Saúde, devem receber reforço periódico da vacina contra Covid-19 (a cada seis meses ou uma vez por ano), em uma ou duas doses. A estratégia de vacinação com esse público, a partir da recomendação federal, deve ser executada pelos municípios.

Leia mais:

Imagem de destaque
Efeito sanfona

Entenda o que acontece com o corpo em caso de reganho de peso pós-Ozempic

Imagem de destaque
Zona sul

Em Londrina, UBS do Ouro Branco retoma atendimento normal a partir desta segunda

Imagem de destaque
Saiba mais

Estudo atesta eficácia de tratamento mais barato para AVC pelo SUS

Imagem de destaque
Mais investimento

Brasil registra 45% de cobertura em saúde bucal; meta é chegar a 70%


Se enquadram nesses grupos os trabalhadores da saúde, indígenas, ribeirinhos, quilombolas, pessoas com deficiência permanente e pessoas com comorbidades a partir de cinco anos, pessoas vivendo em instituições de longa permanência (e seus trabalhadores), pessoas privadas de liberdade adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas a partir de 12 anos e pessoas em situação de rua, entre outros. 

Publicidade


“Assim como acontece com a vacina da Influenza, que a cada ano recebe a formulação conforme a variante do vírus que está em circulação, a vacina contra Covid-19 também foi atualizada. Importante ressaltar que o objetivo principal da vacina é reduzir casos graves e óbitos pela Covid-19, para tanto, é essencial garantir a continuidade do esquema vacinal para obter a proteção máxima contra o vírus”, explicou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. 


Neste momento, a população de 5 anos a 59 anos, que não faz parte de nenhum grupo prioritário, não tem a recomendação de vacinação com a vacina XBB, conforme recomendação do Programa Nacional de Imunizações.

Publicidade


A vacina Covid-19 Monovalente (XBB) é amplamente utilizada em outros países e tem a vantagem adicional de ser adaptada para a variante XBB.1.5, uma subvariante da Ômicron que apresenta alta resistência imunológica e se propaga rapidamente.


A Spikevax é uma vacina RNA mensageiro (RNAm) que codifica a glicoproteína spike estabilizada por meio de nanopartículas lipídicas. Após a injeção, as células do corpo absorvem a nanopartícula lipídica, entregando a sequência de RNAm às células para tradução em proteína viral, iniciando então a resposta imunológica contra o SARS-CoV-2.

Publicidade


Imagem
Mais seis mortes por dengue são confirmadas em Londrina
A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) divulgou o boletim semanal da dengue nesta terça-feira (14). De acordo com os dados, Londrina tem mais seis mortes confirmadas em decorrência da doença.


Cobertura vacinal 

Confira como fica o esquema vacinal no quadro abaixo:

Publicidade


- Crianças de 6 meses a 4 anos de idade (não vacinadas) - 2 doses - quatro semanas entre as doses


- Crianças de 6 meses a 4 anos de idade (vacinação completa - três doses) - 1 dose - intervalo mínimo de três meses da dose mais recente

Publicidade


- Crianças de 6 meses a 4 anos de idade (vacinação incompleta - a depender do número de doses já recebidas) - 1 ou 2 doses - a partir de quatro semanas entre as doses


- Imunocomprometidos a partir de 5 anos (não vacinados) - 3 doses - quatro semanas entre a D1 e e a D2 e oito semanas entre D2 e D3

Publicidade


- Imunocomprometidos a partir de 5 anos (vacinação incompleta) -1 ou 2 doses - a partir de quatro semanas entre as doses


- Imunocomprometidos a partir de 5 anos (vacinação completa, esquema de 3 doses) - 2 doses - a cada 6 meses, intervalo mínimo de três meses da dose mais recente


- Idosos - 2 doses - a cada 6 meses, intervalo mínimo de três meses da dose mais recente


- Gestantes e puérperas - 2 doses - a cada 6 meses, intervalo mínimo de três meses da dose mais recente


- Pessoas vivendo em instituições de longa permanência (ILPI e RI) e seus trabalhadores - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Indígenas - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Ribeirinhos - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Quilombolas - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Trabalhadores de saúde - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Pessoas com deficiência permanente - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Pessoas com comorbidades - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Privadas de liberdade (≥ 18 anos) - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Funcionários do sistema de privação de liberdade - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


- Pessoas em situação de rua - 1 dose - aplicação anual, intervalo mínimo de três meses da última dose


Imagem
Anvisa aprova resolução mais rígida para prescrição de zolpidem
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou, na quarta-feira (15), uma resolução que torna mais rígida a prescrição do zolpidem e da zopiclona, medicamentos indicados para tratamento da insônia.


Confira as principais dúvidas e respostas sobre o esquema vacinal:


Quem deve tomar a nova vacina?

A vacina deve ser utilizada em toda a população entre 6 meses e 4 anos, 11 meses e 29 dias não vacinada dentro da rotina no Calendário Nacional de Vacinação Infantil. Crianças menores de 5 anos que possuem esquema primário completo também têm direito a uma dose de reforço com a cepa atualizada.


Ela pode ser utilizada para dose de reforço em grupos prioritários que, segundo recomendação do Ministério da Saúde, devem receber reforço periódico da vacina contra Covid-19 (a cada seis meses ou uma vez por ano).


Faço parte dos grupos prioritários e não tomei todas as doses do passado, devo tomar?

Todas as pessoas pertencentes aos grupos prioritários, isto é, mais vulneráveis a desenvolverem casos graves da doença, devem receber uma dose da vacina XBB.


Faço parte dos grupos prioritários e tomei todas as doses do passado, devo tomar?

Sim, a recomendação é de aplicação periódica, a cada seis meses ou ao menos uma vez por ano.


Não faço parte dos grupos prioritários e não tomei todas as doses do passado, devo tomar?

Neste momento, a população de 5 anos a 59 anos, que não faz parte de nenhum grupo prioritário, não tem a recomendação de vacinação com a vacina XBB, conforme recomendação do Programa Nacional de Imunizações.


Não faço parte dos grupos prioritários e tomei todas as doses do passado, devo tomar?

Neste momento, a população de 5 anos a 59 anos, que não faz parte de nenhum grupo prioritário, não tem a recomendação de vacinação com a vacina XBB, conforme recomendação do Programa Nacional de Imunizações.


De acordo com o vacinômetro nacional, neste ano apenas 8,13% das crianças entre 6 meses e 4 anos receberam o esquema vacinal atual contra Covid-19, já entre as crianças de três a quatro anos a cobertura chegou a 11,79%. Antes dessa nova vacina, a recomendação era de vacinação com três doses da Pfizer. Com relação aos grupos prioritários, 20,33% da população elegível recebeu a vacina bivalente também da Pfizer este ano. 


O mais recente boletim epidemiológico da Sesa mostra que o Paraná registrou neste ano 33.346 casos da doença e 90 mortes. Desde março de 2020 o Estado soma 3.005.086 casos confirmados e 46.690 mortes.


Imagem
Tabagismo corresponde a 80% das mortes por câncer de pulmão no Brasil
Estudo feito por pesquisadores da Fundação do Câncer aponta que o tabagismo responde por 80% das mortes por câncer de pulmão em homens e mulheres no Brasil.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade