Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Entenda

Culpa por comer pode atrapalhar relação com a comida e resultados da dieta

Danielle Castro - Folhapress
24 nov 2023 às 12:02
- Pexels
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A culpa em relação à ingestão de alimentos pode atrapalhar o emagrecimento. Associar o sentimento ruim à comida pode provocar ansiedade e comportamentos compulsivos, além de estimular a busca por medidas compensatórias ineficazes.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

É o caso do pepino salpicado com gelatina em pó sem açúcar sugerido pela youtuber Kéfera Buchmann para substituir doces e não fugir da dieta. Sem nenhuma comprovação de que a combinação "exótica" de fato gere saciedade, a influencer afirmou em um vídeo em suas redes sociais que trata-se de uma "estratégia" para lidar com a compulsão alimentar.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Suspeita de dengue

Postos de saúde da zona sul de Londrina tiveram movimento intenso neste sábado


Na fala, ela diz ainda que o conjunto inusitado tem "zero caloria, é superdoce e enche barriga".

Publicidade


Profissionais de saúde mental e nutrição, porém, defendem que táticas assim podem ser perigosas no dia a dia.


"A culpa ao alimentar-se pode gerar preocupação exacerbada nas refeições. Algumas pessoas podem achar que deve-se passar a diminuir a quantidade de alimentos ou a pular refeições na tentativa de se adequar a exemplos inadequados expostos na mídia", afirma o médico Fábio Salzano, vice-coordenador do Programa de Transtornos Alimentares do IPq (Instituto de Psiquiatria) do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Publicidade


O psiquiatra reforça que, muitas vezes, as pessoas seguem recomendações feitas por pessoas leigas, sem nenhuma formação adequada na área da saúde e da nutrição, e acabam se deixando levar por erros conceituais sobre o que de fato funciona para emagrecer.


"Os doces podem ser parte de um plano alimentar, mas a quantidade e frequência devem ser adaptadas pelo nutricionista para cada indivíduo, a não ser que haja alguma condição médica. Quando uma pessoa que não tem formação em nutrição ou medicina divulga maneiras de se alimentar, corre-se o risco de pessoas desavisadas tomarem essas opiniões como as únicas a serem realizadas no desejo de mudar hábitos alimentares", diz Salzano.

Publicidade


Sentir culpa por comer, portanto, atrapalha a relação geral com a comida, segundo a nutricionista Daniela Cierro, vice-presidente da Asbran (Associação Brasileira de Nutrição). "Não é normal sentir culpa ao comer, mas frequentemente observamos essa relação nos processos de emagrecimento."


A nutricionista conta que a associação da comida com algo negativo pode ser desencadeada por diversos fatores, desde escutar falas inadequadas sobre o corpo até ligar certos alimentos a alguma forma de punição.

Publicidade


"O alimento é fundamental à vida e está diretamente relacionado ao campo social, cultural e emocional. O ato de comer gera de forma individual significados que podem produzir boas memórias familiares, assim como sensações não prazerosas, que podem levar a sentimentos como a culpa", avalia Cierro.


Cierro diz que emoções negativas interferem de modo significativo na motivação e na vontade de comer, podendo o ato ser visto inclusive como um alívio de sofrimento.

Publicidade


Sobre a receita e a fala da youtuber, Cierro diz que o autodiagnóstico faz com que muita gente espalhe informações erradas sobre tratamentos de transtornos do tipo. "A compulsão alimentar, diagnosticada por um médico, precisa de um tratamento multidisciplinar."


A dica é estar atento a forma que interagimos com o que vai ao nosso prato. "A sugestão de comer um alimento ultraprocessado como a gelatina zero é um desserviço. Dissemina o conceito distorcido de que basta um alimento ter zero calorias para ser saudável", diz Cierro.

Publicidade


Antes de escolher o melhor alimento, portanto, a pessoa deve ler os ingredientes da embalagem, verificando se há corantes, aditivos alimentares e edulcorantes, que podem prejudicar mais a saúde que ajudar, segundo a Asbran.


Além disso, no caso do pepino com gelatina, o substituto pode ser um gatilho. "A combinação de sabores do pepino com a gelatina aponta para restrição e punição, o contrário do que precisamos estabelecer para que o indivíduo ressignifique a relação com a comida", afirma.


A base da alimentação deve focar em alimentos in natura e minimamente processados, conforme recomendado pelo Guia Alimentar para a População Brasileira, disponível gratuitamente no site do Ministério da Saúde.


"Alimentos processados e ultraprocessados, por serem palatáveis e práticos, se tornam a base da alimentação. No entanto, eles são ricos em sódio, gordura e açúcar, indo na contramão de uma alimentação saudável", pondera a nutri.


Na hora da dieta, o indivíduo que precisa emagrecer, manter o peso ou mudar os hábitos alimentares deve construir um estilo de alimentação saudável a partir de suas próprias preferências e focando também em ter uma boa hidratação e um sono de boa qualidade. "Conhecimento é libertador. Se você não gosta de alface, tudo bem, existem outras tantas opções, como rúcula, acelga, repolho, entre outros. Porém, afirmar que não gosta de salada porque não come alface é um ponto que precisa ser explorado, partindo para outros alimentos e molhos que acompanham esse prato", diz Cierro.


Imagem
Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde
Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é maior em mulheres negras do que brancas, de acordo com levantamento do Ministério da Saúde.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade