Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Entenda

Dengue tipo 3 pode ser grave para quem já teve a doença, alertam especialistas

Patrícia Pasquini - Folhapress
23 nov 2023 às 12:13
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Quem contraiu os sorotipos 1 ou 2 da dengue --prevalentes no Brasil-- e se infectar pelo 3 pode desenvolver um quadro grave da doença.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

O alerta feito por especialistas ganhou força com o ressurgimento deste sorotipo no país após 15 anos desaparecido, sem causar surtos ou epidemias.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Suspeita de dengue

Postos de saúde da zona sul de Londrina tiveram movimento intenso neste sábado


Nesta quarta-feira (22), a Secretaria da Saúde de Votuporanga (a 521 km de São Paulo) confirmou quatro casos de dengue 3, todos no mesmo bairro.

Publicidade


O primeiro foi detectado em uma mulher, de 34 anos, que chamou a atenção por conta da intensidade dos sintomas clássicos da doença --febre, vômito, dor e manchas vermelhas pelo corpo, além de sangramento nasal e pela urina.


Nas ações de bloqueio, a secretaria identificou outros sete casos suspeitos. As amostras foram colhidas e enviadas para análise. Destes, três foram confirmados para o mesmo sorotipo. As pacientes são mulheres com 5, 31 e 46 anos.

Publicidade


O Ministério da Saúde afirmou que tem monitorado as amostras de dengue 3, que neste ano também foram detectadas nos estados do Paraná e Santa Catarina e no Distrito Federal. Após investigação epidemiológica verificou-se que eram oriundas de pacientes estrangeiros, provavelmente da Guiana, República Dominicana e Suriname.


Do total de amostras positivas para o vírus da dengue em que foi possível determinar o sorotipo, 90,1% foram identificadas como 1 e 9,7% como 2. O sorotipo 3 representou 0,2% do total. Por enquanto, não houve detecção confirmada do tipo 4 no Brasil neste ano.

Publicidade


Em maio deste ano, um estudo da Fiocruz havia apontado três casos autóctones do sorotipo 3 em Roraima e um importado no Paraná --a pessoa diagnosticada com a doença tinha vindo do Suriname. As análises indicaram que a linhagem detectada foi introduzida nas Américas a partir da Ásia, no período entre 2018 e 2020, provavelmente pelo Caribe.


"Todo sorotipo novo é preocupante e grave em razão do grande número de infecções secundárias num curto espaço de tempo. A expectativa é sombria", afirma Kleber Luz, coordenador do Comitê de Arboviroses da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) e consultor para arboviroses da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

Publicidade


O especialista chamou atenção para a possibilidade de uma epidemia de dengue 3 em 2024.


A dengue possui quatro sorotipos. Quando um indivíduo é infectado por um deles adquire imunidade contra aquele vírus, mas ainda fica suscetível aos demais. Existe o perigo da dengue grave, que ocorre com mais frequência em pessoas que já tiveram a doença e são infectadas novamente por outro sorotipo. É o que pode acontecer com a infecção pelo tipo 3.

Publicidade


"Para quem já foi infectado, se reinfectar é potencialmente mais grave", explica a epidemiologista Sara de Souza, assistente de pesquisa do InfoDengue, sistema desenvolvido pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e a FGV (Fundação Getulio Vargas).


O vetor e as estratégias de prevenção e controle são os mesmos em qualquer sorotipo.

Publicidade


"Estamos no mês de muito calor, e temos uma curva de crescimento de casos, cujo pico normalmente vai aparecer no final de fevereiro, início de março até abril. Infelizmente, com as mudanças climáticas, temos observado que essa curva de casos se estendeu e em alguns locais ela não tem finalizado", diz Souza.


"O que as pessoas precisam fazer? Se protegerem. É usar os equipamentos de proteção individual, como tela e o repelente no corpo, e frear a propagação do vetor. É evitar a água parada. Temos modelos muito bons de vigilância e de monitoramento, mas sem a população fazer a própria parte fica complicado".


O Ministério da Saúde afirmou que alocou R$ 84 milhões na compra de adulticida (para combater insetos adultos) e larvicida para as ações de combate ao mosquito nos estados e municípios; lançou o painel público de dados de arboviroses; antecipou a campanha nacional de mobilização da população; capacitou de mais de 9.500 profissionais de saúde via UNA-SUS (Universidade Aberta do SUS) e outros 2.196 para manejo clínico, vigilância e controle de arboviroses com treinamento presencial.


Imagem
Com 614 confirmações, região de Maringá é a que mais tem casos de dengue no PR
A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) divulgou nesta terça-feira (21) o novo boletim semanal da dengue com 418 novos casos da doen&cced
Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade