Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alerta

Fabricante do Ozempic alerta para risco de golpe na venda de remédios em promoção

Danielle Castro - Folhapress
14 nov 2023 às 11:56
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Novo Nordisk, fabricante de medicações usadas para tratar diabetes e, off label, gerar emagrecimento, como Ozempic e Rybelsus, disparou um alerta de golpe aos usuários. A mensagem informa que seus funcionários "não entram em contato oferecendo promoções diferenciadas" e pede que os pacientes desconfiem de "qualquer mensagem" com este perfil.

A recomendação é lidar apenas com "farmácias confiáveis". Outra possibilidade é buscar farmácias pelo site do Programa NovoDia, ferramenta disponibilizada pela farmacêutica que permite encontrar o local credenciado mais próximo a partir do código de endereçamento postal (CEP).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Em caso de dúvidas sobre a procedência dos remédios, a orientação é acessar a página da empresa para consultar os produtos comercializados, e procurar o atendimento ao consumidor.

Leia mais:

Imagem de destaque
UNIDADE DO JARDIM DO SOL

Após desabamento de forro, UPA de Londrina pode ser transferida para prédio na Faria Lima durante obras

Imagem de destaque
PARA CRIANÇAS DE 10 E 11 ANOS

Cambé inicia vacinação contra dengue nesta terça-feira (27)

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB


À Folha de S.Paulo, a Novo Nordisk informou que a denúncia chegou via SAC e que o "alerta foi realizado pois a Novo Nordisk tomou conhecimento de que pessoas têm se passado por colaboradores para realizar vendas de produtos".

Publicidade


A empresa não especificou por quais meios foram feitas as tentativas de golpe, mas reforçou que a Novo Nordisk não faz venda direta e que todos os produtos da fabricante "são comercializados por meio de farmácias e drogarias homologadas pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]."


A Novo Nordisk não confirmou se os contatos se restringiam à venda de Ozempic ou se também afetavam outras medicações sob patente da empresa que imitam o hormônio GLP-1, ligado à saciedade.

Publicidade


Se enquadram no perfil produtos como Victoza e Saxenda, feitos à base de liraglutida, que são usados para tratar diabetes tipo 2 e obesidade, respectivamente. As novas tecnologias de GLP-1 têm revolucionado a indústria de medicamentos para perda de peso por apresentarem resultados significantes com maior segurança para o sistema cardiovascular.


LOTES FALSIFICADOS

Publicidade


Em outubro, o Brasil registrou casos de falsificação de Ozempic. A Novo Nordisk alertou a Anvisa de que a empresa não reconhecia como original o lote LP6F832, com validade até novembro de 2025. Além disso, unidades do lote MP5C960 apresentavam na embalagem descrição em espanhol e concentração diferente da original, indicando a fraude.

Publicidade


O país teve ao menos dois episódios de produtos fraudados e um de divulgação irregular do medicamento, segundo resoluções da Anvisa publicadas no Diário Oficial da União.


A injeção de Ozempic, assim como Rybelsus, versão em comprimido do mesmo medicamento, é recomendada e liberada no Brasil apenas para tratamento de diabetes tipo 2, mas ganhou grande projeção mundial como emagrecedor.


A semaglutida, princípio do remédio que leva a mais perda de peso que a liraglutida, provoca reduções de até 17% do peso. Também foi liberada este ano (em outra dosagem) para o tratamento de obesidade com comorbidade sob o nome de Wegovy, mas ainda não está à venda. Não há versão genérica ou biossimilar do produto, que só pode ser comercializado pela Novo Nordisk até o final da patente, previsto pelo menos até 2026 no caso da injeção e para 2031, no caso do formato comprimido.


Pouco antes, as falsificações de Ozempic repercutiram também na Europa e na América Central e do Norte, onde também houve denúncias de produtos adulterados sendo vendidos como originais, levando a um alerta às agências sanitárias internacionais.


Imagem
Ana Hickmann: Neurocientista explica comportamentos relutantes para denunciar violência doméstica
Fabiano de Abreu Agrela destaca fatores neuropsicológicos por trás do relutante comportamento das vítimas
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade