Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Esperado

Municípios onde Bolsonaro teve mais votos tiveram mais mortes na pandemia de Covid

Arthur Guimarães - Folhapress
20 mai 2024 às 10:05
- Gabriela Biló/Folhapress
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Municípios onde o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) obteve mais votos nas eleições presidenciais de 2018 e 2022 tiveram mais mortes durante os picos da pandemia de Covid-19 no Brasil, mostrou estudo publicado na revista Cadernos de Saúde Pública nesta segunda-feira (20).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Inauguração neste sábado

Em Cambé, atendimentos da UBS do Silvino estão interrompidos para mudança de sede

Imagem de destaque
OMS escolhe o dia 24 de junho

No Dia Mundial de Prevenção de Quedas em Idosos, ortopedistas alertam para riscos de acidentes

Imagem de destaque
Sintomas e recomendações

Anvisa emite informe de segurança sobre reações adversas a cosméticos

Imagem de destaque
Facilidade para os pacientes

Cascavel: HU do Oeste retoma cirurgias cardíacas após uma década

A pesquisa analisou a relação entre o excesso de mortalidade registrado em 2020 e 2021 e o percentual de votos obtido por Bolsonaro no primeiro turno daqueles pleitos.

Publicidade


Na crise sanitária, o então presidente contrariou as recomendações de autoridades de saúde e se opôs a medidas de isolamento social e uso de máscaras.


Ex-presidente Jair Bolsonaro durante evento de anúncios de medidas do Ministério do Turismo no Palácio do Planalto Pedro Ladeira - 10.jun.21/Folhapress Jair Bolsonaro, um homem branco de cabelos grisalhos. Ele fala ao microfone em um púlpito. Bolsonaro usa um terno preto, uma camisa branca e uma gravata azul. O trabalho identificou que cada aumento de 1% nos votos municipais para o presidenciável em 2018 e 2022 esteve associado a uma alta de 0,48% a 0,64%, respectivamente, no excesso de mortes dos municípios durante os picos da pandemia.

Publicidade


"Houve uma fidelidade enorme no eleitorado. Um núcleo de eleitores continuou a votar nele. A expectativa era que ele seria penalizado eleitoralmente, que a rejeição aumentasse. Isso não ocorreu", explica Everton Lima, docente e pesquisador da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).


Lima, um dos autores do estudo, disse que a pesquisa mostra uma associação entre um maior excesso de mortes e mais votos em Bolsonaro, não uma relação de causa e efeito.

Publicidade


Segundo o pesquisador, não é possível dizer que as pessoas que se opunham ao uso de máscaras e ao isolamento social votaram no ex-presidente porque ele empunhava essas bandeiras.


Tampouco concluir que elas se identificavam com Bolsonaro e, por isso, adotaram esses comportamentos.
A descrença nos impactos da pandemia, a resistência ao uso de máscaras e a demora na implementação de uma campanha de imunização podem explicar essa associação, apontou o trabalho.

Publicidade


Mesmo assim, os dados podem refletir, por exemplo, medidas de saúde inadequadas implementadas por governos municipais onde Bolsonaro obteve mais votos.


O estudo teve colaboração ainda de Lilia da Costa, da UFBA (Universidade Federal da Bahia), Rafael Souza, Cleiton Rocha e Maria Ichihara, todos da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Publicidade


Os autores utilizaram os resultados do primeiro turno das eleições para capturar melhor o voto ideológico. O excesso de mortalidade compara a média mensal de mortes entre 2015 e 2019 com o número de mortes durante os picos da pandemia. O que superar é o excesso.


Assim, nem todas as mortes consideradas se deveram a complicações da Covid. Parte delas, sim, mas outras doenças também entram no cálculo.

Publicidade


Lima afirmou que "muita gente não tinha acesso a serviços de saúde, porque ele estava sobrecarregado. Essas pessoas morreram de outras causas".


A medida de excesso de mortes capta uma anomalia. "É um termômetro para dizer que está acontecendo algo diferente".


De acordo com a pesquisa, a oposição a Bolsonaro, representada pelos votos no PT, mostrou uma correlação negativa com o excesso de mortalidade nos municípios, ou seja, quanto maior o percentual de votos verificado nos candidatos petistas, menor foi o número de mortes.


Os pesquisadores ofereceram uma explicação para o fenômeno sob a ótica a partir da polarização afetiva e da política tribal.


O primeiro conceito está relacionado um ambiente político no qual eleitores apoiam quem defende as pautas étnicas, religiosas e específicas dos grupos deles.


O segundo está associado a uma tendência de eles adotarem posições que os diferenciem politicamente, contrárias às da classe política adversária.


"Há uma fidelidade até certo ponto cega", diz Lima. "Estamos polarizados em um nível político que é o nós contra eles. Você acaba sendo alimentado por informações de dentro do seu grupo. Não conversa com o outro lado."


Em 2018, Bolsonaro derrotou Fernando Haddad (PT) no segundo turno e foi eleito presidente da República. Quando disputou a reeleição, quatro anos depois, Bolsonaro perdeu para Luiz Inácio Lula da Silva (PT).


Imagem
Veja os melhores e os piores municípios brasileiros em alfabetização, segundo o Censo 2022
O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta sexta-feira (17) novos dados do Censo Demográfico 2022, destacando a questão da alfabetização da população.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade