23/06/21
PUBLICIDADE
Sputnik Light

Rússia aprova nova versão da vacina Sputnik V de dose única

Pixabay
Pixabay

A Rússia anunciou nesta quinta-feira (6) que registrou uma nova vacina no país, a Sputnik Light. Trata-se de versão em dose única da Sputnik V, que o país já vem aplicando na população desde agosto de 2020 e que tem registro para uso emergencial em 62 países.

A Sputnik V, com duas doses, usa dois adenovírus de resfriados comuns, o Ad26 e o Ad5. Neles é inserido um trecho do RNA do coronavírus, responsável por codificar a proteína S (de "spike" ou espícula, estrutura usada pelo vírus para se ligar às células do hospedeiro), para produzir a resposta imune no organismo.


Já a Sputnik Light usa apenas a primeira dose da Sputnik V, que é formulada só com o adenovírus humano recombinante 26 não replicante (Ad26).

De acordo com os desenvolvedores do produto, a primeira dose da Sputnik V já confere uma eficácia de 79,4% de proteção 28 dias após a injeção, o que gerou o estudo para a aplicação da vacina em dose única.

Além disso, a dose que contém o Ad26 já induz à produção de anticorpos IgG (imunoglobulina G, ou anticorpos de memória) específicos contra o coronavírus em 96,9% dos voluntários 28 dias após a imunização, e à produção de anticorpos neutralizantes (que bloqueiam a entrada do coronavírus nas células humanas) em 91,7% dos participantes no mesmo período.

Para estimar a eficácia da Sputnik Light, os pesquisadores analisaram dados de civis russos que receberam apenas a primeira dose da vacina Sputnik V e não voltaram para tomar a segunda por qualquer motivo entre o dia 5 de dezembro de 2020 e o dia 15 de abril de 2021. Não foi divulgado quantas pessoas fizeram parte deste grupo de estudo.

O que os russos afirmaram é que a incidência de Covid-19 nos vacinados com a dose única da Sputnik Light foi de apenas 0,277%, enquanto na população adulta não vacinada no mesmo período foi de 1,349%, cerca de cinco vezes maior. Eles não apresentaram números de casos entre os dois braços do estudo (população vacinada e não vacinada).

Embora tenham protocolado no dia 21 de fevereiro um estudo clínico de fase 3 com cerca de 7.000 voluntários na Rússia, Emirados Árabes Unidos e Gana para avaliar a eficácia da Sputnik Light, não há ainda previsão de quando esse estudo será concluído, e ele ainda consta na fase de recrutamento de voluntários na plataforma Clinicaltrials.gov.

Em relação à segurança e à imunogenicidade da vacina, um estudo de fases 1 e 2 com 110 voluntários na Rússia teve início em janeiro de 2021, mas não há dados publicados ou conclusão dos testes na mesma plataforma.

O diretor do RDIF, Kirill Dmitriev, afirmou que os resultados preliminares desse estudo mostraram que a dose única é bem tolerável, com baixa incidência de efeitos adversos e sem nenhum caso de CSVT (na sigla em inglês) reportado até então num universo de mais de 20 milhões de vacinados no mundo com a primeira dose da Sputnik V.

Dmitriev disse também que a dose única da vacina é eficaz contra todas as variantes do vírus em circulação e que contém em seu código genético as principais mutações do coronavírus que podem causar maior transmissibilidade ou fugir da ação de anticorpos. Por esse motivo, pode ser usada em combinação a outras vacinas como uma dose de reforço contra essas novas cepas.

No entanto, não foram apresentados dados comprovando essas afirmações e nem foi feito estudo com o soro de indivíduos vacinados com a Sputnik Light contra essas mutações para demonstrar eficácia.

O anúncio feito pelo Ministério da Saúde russo, o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e o Instituto Gamaleya lembra o episódio de registro da Sputnik V em agosto de 2020, antes mesmo do término dos estudos de fase 3 ou da publicação dos resultados de fase 1/2.

A expectativa do Fundo Russo é que a Sputnik Light seja registrada até a próxima semana nos países em que a Sputnik V já possui registro ou autorização para uso emergencial.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) negou na última semana por unanimidade o aval para importação e uso da vacina Sputnik V no Brasil, alegando que diversos critérios mínimos necessários para a aprovação da vacina, como segurança e boas práticas de manufatura, não foram alcançados pela Sputnik V.

Um dos problemas apontados pela agência foi a presença do adenovírus 5 replicante nos lotes da vacina. Os dois adenovírus usados como vetores para a Sputnik V, segundo o próprio Instituto Gamaleya, que produziu a vacina, devem ser não replicantes, mas a agência apresentou documentos do próprio instituto afirmando a presença de adenovírus replicante em quantidade não maiores do que 100 fragmentos por dose.

Como a Sputnik Light corresponde apenas à dose que contém o Ad26 da Sputnik V, seu registro pode ser uma tentativa dos russos de contornarem esse problema. Além disso, o fundo russo afirmou que vem estudando o uso da sua dose de Ad26 em combinação com a vacina da Oxford/AstraZeneca.

A expectativa é também que todas as produtoras dos países parceiros da Sputnik V comecem a produção simultânea da Sputnik Light. "A Sputnik V continua sendo nossa estratégia principal de vacinação, mas percebemos o interesse de vários parceiros em ter uma vacina de dose única. Por isso acreditamos que a Sputnik Light irá ser uma boa alternativa nesses locais e aumentar o número de pessoas vacinadas em todos os países que já usam a Sputnik V", disse Dmitriev.
Ana Bottallo - Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Pandemia

Maringá orienta para que máscaras sejam descartadas no lixo comum

23 JUN 2021 às 17h20
Boletim diário

Maringá registra 15 mortes pelo coronavírus nesta quarta (23)

23 JUN 2021 às 17h12
Fique atento

Maringá vacina população de 42 anos ou mais nesta quinta (24)

23 JUN 2021 às 16h42
'Sommelier de vacina'

Saúde de Londrina alerta que população não pode escolher vacina contra Covid-19

23 JUN 2021 às 16h25
Boletim da pandemia

Paraná passa de 30 mil mortes por Covid-19 e governo decreta luto oficial no Estado

23 JUN 2021 às 16h05
Morte prematura

Entenda a doença aracnoidite, que matou a atriz Mabel Calzolari aos 21 anos

23 JUN 2021 às 14h54
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados