Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Esperança

Vacina para chikungunya teve quase 100% de eficácia em gerar resposta contra a doença

Samuel Fernandes - Folhapress
13 jun 2023 às 11:43
- Arquivo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma vacina contra a chikungunya beirou a eficácia completa na capacidade de gerar resposta do sistema imunológica contra a infecção. O imunizante também foi seguro, com efeitos colaterais de baixo risco. As conclusões são de uma pesquisa divulgada nesta segunda (12) na revista The Lancet.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

O vírus que causa a chikungunya é transmitido pelo Aedes aegypti, mesmo mosquito transmissor da dengue e da zika. Febre, manchas avermelhadas, dores nas articulações e na cabeça são alguns dos sintomas da doença.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Suspeita de dengue

Postos de saúde da zona sul de Londrina tiveram movimento intenso neste sábado


Por enquanto, não existe vacina contra a doença, mas estudos são feitos para averiguar se um modelo desenvolvido pela empresa Valneva pode ser eficaz no controle da enfermidade. De dose única, a vacina consiste em um vírus atenuado que não tem a capacidade de infectar as células. Segundo a farmacêutica, uma parte do genoma do patógeno foi deletada e, então, foi possível desenvolver o fármaco.

Publicidade


Os dados recém-divulgados no artigo científico são de uma dessas pesquisas. Assinada pela filial austríaca da Valneva, o levantamento foi realizado nos Estados Unidos, onde 3.644 pessoas começaram no estudo e chegaram até o fim da investigação. Entre elas, 362 passaram pela análise da resposta imune: 266 haviam recebido o imunizante, enquanto 96 acessaram o placebo.


No grupo daqueles com aplicação do imunizante, 263 tiveram o sistema imune induzido para produção de anticorpos neutralizantes contra o vírus após 28 dias da aplicação. O índice foi medido novamente 180 dias após o início da pesquisa, registrando uma taxa de 96% em continuar com o nível adequado na produção de anticorpos neutralizantes.

Publicidade


A pesquisa também divulgou detalhes sobre a segurança do fármaco. Cerca da metade dos participantes que tomaram a vacina apresentou efeito colateral com alguma relação ao fármaco. No grupo placebo, esse número foi de quase um terço. Mas a maioria dos problemas relatados foi simples: 1,5% daqueles do grupo da vacina tiveram algum sintoma mais sério, percentual que foi de 0,8% naqueles com acesso ao placebo.


Embora os resultados sejam um bom indicativo da eficácia e segurança da vacina, o estudo tem uma limitação importante: ele foi feito num país onde a doença não é endêmica, no caso, os EUA. Isso faz com que não seja possível observar totalmente a proteção conferida pelo fármaco. O local da pesquisa também dificulta concluir o efeito dela em pessoas que já foram infectadas pelo vírus, algo apontado como uma fraqueza da pesquisa.


O Brasil, onde há alta incidência da doença, é um exemplo de local que poderia superar esse gargalo. O Instituto Butantan é parceiro da Valneva no país e planejou uma pesquisa com 750 adolescentes brasileiros. Segundo a assessoria da instituição, o recrutamento para o estudo já foi finalizado em fevereiro deste ano, mas ainda não há previsão para divulgação dos resultados.


Imagem
Conheça a diferença entre dengue, zika e chikungunya
Dengue, zika e chikungunya são três infecções transmitidas pelos mesmos vetores, os mosquitos Aedes aegypiti e o Aedes al
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade