Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Baixa adesão ao imunizante

Vacinação contra HPV, principal causador de câncer de útero, passa a ser em dose única

Folhapress
02 abr 2024 às 10:45
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A vacinação contra o HPV (Vírus do Papiloma Humano), principal causador de câncer de colo de útero, além de outros tipos, passa a ser em dose única.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Veja os sintomas

Transmitida por mosquito, febre oropouche tem alta no Brasil

Imagem de destaque
Fique atento!

Doença de Chagas: Paraná divulga cartilha sobre prevenção e tratamento

Imagem de destaque
Sem condições

Médico acusado de trabalhar embriagado pula a janela para fugir da polícia em Mauá da Serra

Imagem de destaque
Seja um doador!

Hemocentro do HU da UEL precisa de doações de sangue tipo O- e O+

A ação foi anunciada pela ministra da Saúde, Nísia Trindade, em sua conta no X (ex-Twitter) na noite desta segunda-feira (1º).

Publicidade


No vídeo, Trindade afirma que, "a partir de agora, o imunizante será aplicado em dose única". 


"Além de meninas e meninos de nove a 14 anos e outros grupos específicos definidos pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações), também orientamos aos estados e municípios que façam uma busca ativa dos jovens de até 19 anos que não receberam nenhuma dose de vacina contra o HPV para que possam atualizar sua vacinação."

Publicidade


No Brasil, a vacina é ofertada para meninas e meninos de nove a 14 anos, além de pessoas vivendo com HIV e vítimas de abuso sexual. Atualmente, o esquema vacinal é aplicado em duas doses com intervalo de seis meses.


A recomendação para a vacinação em dose única, segundo Trindade, foi baseada em estudos científicos que demonstram maior adesão à vacina, conforme recomendação da própria OMS (Organização Mundial da Saúde), a partir dos nove anos de idade.

Publicidade


Existem mais de 200 tipos de HPV, com capacidade de infectar mucosas orais, genitais e sexuais de homens e mulheres e que podem causar desde verrugas até outros sintomas mais graves. É esperado que, ao longo de toda a sua vida, 80% dos adultos sexualmente ativos tenham contato com o vírus.


A vacina utilizada no SUS é produzida pelo Instituto Butantan e é chamada quadrivalente, contendo quatro formas do vírus -6, 11, 16 e 18. Na rede particular, a vacina protege contra nove tipos do vírus.
Nos últimos anos, o país enfrenta queda da cobertura da vacinação contra o HPV.

Publicidade


De acordo com especialistas, uma das dificuldades para a baixa adesão da vacinação contra o HPV é o esquema vacinal em duas doses.


Em 2022, entre as meninas, a primeira e a segunda dose tiveram, respectivamente, 75,91% e 57,44% de adesão.


Entre os meninos, os números são ainda menores: 52,26% na primeira aplicação e 36,59% na segunda. Os dados deste ano ainda não estão consolidados.


Segundo a pasta da Saúde, houve um aumento de 42% no total de doses aplicadas em 2023 em relação a 2018, com 5,6 milhões de doses. Ainda não foi divulgado pelo Ministério da Saúde qual será o cronograma da nova vacina e em quanto tempo ela estará disponível.


Imagem
Palestra no Paraná trata da saúde mental de cuidadores de pessoas com deficiência
No mês de abril o mundo celebrará o Dia Mundial do Autismo (2 de abril), um momento crucial para refletir não apenas sobre a inclusão e aceitação das pessoas com autismo, mas também sobre a importância de cuidar daqueles que cuidam delas.


Imagem
Anvisa autoriza registro de vacina que previne bronquiolite em bebês
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o registro da vacina Abrysvo, da farmacêutica Pfizer. A dose combate o vírus sincicial respiratório (VSR), causador de infecções no trato respiratório, como a bronquiolite.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade