Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Multa de R$ 4 mil

Motociclista de aplicativo é condenado por litigância de má-fé em processo contra posto de gasolina

Redação Bonde
20 fev 2024 às 11:46
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um entregador de aplicativo foi condenado a pagar uma multa de cerca de R$ 4 mil, após a Justiça do Trabalho ter rejeitado o vínculo de emprego com um posto de combustíveis que se utilizava de aplicativos para vender seus produtos. A decisão da 2ª Turma de Desembargadores do TRT-PR deferiu o benefício da justiça gratuita, mas não isentou o motociclista de pagar multa por litigância de má-fé em razão da sua conduta no processo.


No processo, o autor da ação não obteve o reconhecimento com o posto de gasolina, pois, ao serem trazidos aos autos os relatórios produzidos pelas plataformas de entregas, ficou comprovado que o autor tinha autonomia para escolher os serviços a serem prestados ou mesmo optar por não realizá-las. Portanto, não havia subordinação jurídica, habitualidade ou pessoalidade na relação entre o posto de gasolina e o autor da ação, o que afastou a possibilidade de vínculo.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os relatórios também demonstraram que o autor se utilizou de argumentos inverídicos ao para embasar a sua pretensão, como dizer que iniciou como entregador em abril de 2019 (o início foi em agosto de 2020), o que aumentaria em mais de um ano o período em que ele prestava serviços ao posto de gasolina.

Leia mais:

Imagem de destaque
O que escolher?

Saiba se a gasolina aditivada é a melhor opção para pegar estrada

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
Entenda

Motociclista que transporta passageiros ganha entre 60% e 75% mais, diz pesquisa

Imagem de destaque
ExpoLondrina

Mercado automotivo ainda espera retomar números pré-pandemia


A conduta do entregador foi considerada litigância de má-fé . O relator do processo deferiu o benefício da gratuidade da Justiça, mas manteve a multa. O magistrado ressaltou que a litigância de má-fé não ocorre somente pelo fato de alguém ter a pretensão rejeitada, mas em razão da conduta desleal com a outra parte e com a própria Justiça.


“O Autor declarou na inicial que todas as entregas constavam do relatório juntado por si. Porém, narrou que teria iniciado a prestação dos serviços em abril de 2019, acrescendo com isso, de forma consciente e intencional, mais de um ano de serviço na sua pretensão de vínculo de emprego, o que se mostrou inverídico, pelo próprio relatório, restando demonstrada a conduta de má-fé. Ressalte-se que o benefício da justiça gratuita não libera a parte da multa por litigância de má-fé”, consta na decisão.


O processo tramita no Juízo 100% Digital. Atualmente, já com o trânsito em julgado, o caso segue para a fase de liquidação.


Imagem
Montadoras revisam prazos para eletrificar carros e evitam falar do fim dos motores a combustão
Quando os carros equipados com motores a combustão deixarão de ser produzidos? A Folha fez essa pergunta a representantes de diferentes montadoras em meio ao inverno do carro elétrico.


Imagem
Homem é preso após agredir ex-esposa e policiais na região de Apucarana
Um homem foi preso após agredir a sua ex-esposa e, na sequência, policiais militares, por volta das 18h desta segunda-feira (19), em Kaloré (Região Metropolitana de Apucarana).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade