Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade

A eleição ainda não esquentou

30 out 2009 às 09:51
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Faltando pouco mais de uma semana para a eleição, os candidatos Gilberto Ponce e Marcelo Caldarelli seguem procurando conquistar eleitores, sócios remidos e patrimoniais do Londrina Esporte Clube. O que se sente é que, apesar de toda a divulgação, os associados do LEC ainda não se entusiasmaram com o pleito. Os remidos continuam escondidos e os patrimoniais, na maioria, sem a disposição de pagar R$. 50,00 para ganhar o direito de ir à urna.

Nas entrevistas dadas pelos dois candidatos, na Paiquerê, deu para perceber que as plataformas são completamente opostas. De um lado, o sonhador Marcelo Caldarelli, prometendo recuperar o clube em todos os sentidos, mas sem expressar a maneira para a realização da dura missão. Do outro, Gilberto Ponce com idéias realistas, sabendo que será preciso um forte trabalho de muita gente para a solução dos problemas a médio ou longo prazo.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Caldarelli fala em recuperar a Sede Campestre, em lá realizar um quente Carnaval (como nos velhos tempos), mas não diz a fórmula e ignora que esse patrimônio estará sendo leiloado no próximo dia 20. A antiga sede social do LEC é hoje da Justiça do Trabalho que cobras as muitas ações trabalhistas e tem no imóvel a única garantia.

Leia mais:

Imagem de destaque

Dois campeões invictos

Imagem de destaque

Façam as apostas

Imagem de destaque

Rogério 100

Imagem de destaque

Do sonho ao pesadelo


Há antagonismo também quando se fala em VGD e Estádio do Café, na maneira de tocar o futebol profissional e na recuperação do departamento de base, o da formação de novos jogadores.

Publicidade


O VGD, todo mundo sabe, é um problema da Prefeitura. Interditado e com partes condenadas, o velho Vitorino Dias foi cedido ao Londrina em comodato que está vencendo agora. E para que a cessão seja renovada será preciso alguém arcar com as responsabilidades de sua recuperação. A municipalidade ou o Tubarão. Na Prefeitura a idéia é o fim do velho estádio e, com sua venda, dar ao Londrina um moderno centro de treinamentos. E, também, a recuperação do Estádio do Café.


Enquanto Caldarelli fala em tocar o futebol profissional com apoio de empresários, Ponce destaca que a saída será mesmo a terceirização por alguns anos enquanto sua diretoria cuidará da recuperação do clube em si, das dívidas e dos inúmeros problemas que o Londrina tem.


Quando fala em futebol amador, das categorias menores, o projeto de Gilberto Ponce mostra um "recomeço total". Quer dizer, o Londrina terá que começar do zero, mesmo. Sua meta é ter olheiros observando meninos em todos os cantos, mas jogadores sem vínculos com empresários ou procuradores, para que sejam cem por cento do clube. Em dois anos, acredita Gilberto, o resultado positivo começará aparecer com o surgimento de alguns novos talentos.

De qualquer forma caberá ao associado do LEC analisar e decidir se quer um presidente novo com o declarado apoio da Fundação de Esportes e da Prefeitura – ou alguém que já passou pelo clube e fracassou, com a promessa de que agora tudo será diferente. Vamos esperar, oito de novembro está chegando aí!


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade