Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O Hino Nacional nos estádios

03 mar 2011 às 09:51
Continua depois da publicidade

O amigo Antonio de Pádua de Oliveira, o Lula, companheiro dos meus velhos tempos de Rádio Cultura de Arapongas, conceituado advogado na "Cidade dos Passarinhos", fez uma observação importante quanto ao comportamento dos jogadores de futebol quando do toque do Hino Nacional Brasileiro antes dos jogos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

É realmente de causar espanto o comportamento de todos, incluindo-se árbitros e demais envolvidos no espetáculo. Com olhares vazios, dispersivos, uns fingem que sabem a letra, mas a maioria fica de boca fechada, mascando chicletes. O torcedor também não sabe se comportar. Grita, assovia, vaia ou bate palmas. Nem os locutores dos estádios se salvam. Há aqueles que dão informação justamente no momento em que o hino é tocado.

Continua depois da publicidade


O desrespeito ao Hino Nacional é maior ainda quando é tocado através de gravação. Os "tocadores de hino" desconhecem que, quando cantado, a execução tem que ser integral. O hino não pode ser cortado. Quando o toque é apenas instrumental, aí sim, mas o corte tem que ocorrer no exato fim da primeira parte.


Existe uma Lei específica para disciplinar a correta execução do Hino Nacional. É Lei 5.700, de 01-09-1971. No artigo 24 estão suas regras de execução. Destacamos algumas delas:

Continua depois da publicidade


1 - É obrigatório o tom de si bemol para a execução instrumental simples.
2 - Far-se-á o canto sempre em uníssono.
3 - Nos casos de simples execução instrumental, tocar-se-á a música integralmente, mas sem repetição; nos casos de execução vocal, serão sempre cantadas as duas partes do poema.
4 - Nas continências ao Presidente da República, para fins exclusivos do Cerimonial Militar, serão executados apenas a introdução e os acordes finais, conforme a regulamentação específica.
5 - Nas cerimônias em que se tenha de executar um Hino Nacional Estrangeiro, este deve, por cortesia, preceder o Hino Nacional Brasileiro.
6 - Durante a execução do Hino Nacional, todos devem tomar atitude de respeito, de pé e em silêncio, os civis do sexo masculino com a cabeça descoberta e os militares em continência, sendo vedada qualquer outra forma de saudação.

Por tudo isso, entendo que aulas de civismo não fazem mal a ninguém. Que os clubes se preocupassem em cobrar esse aprendizado dos seus jogadores. O bom comportamento deles no importante momento, certamente provocaria respeito maior e boas doses de civismo também nas arquibancadas.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade