Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alto nível de inadimplência

Consumidor com dificuldade para tomar empréstimo pode ter score ruim

Folhapress
08 abr 2024 às 13:30
- Imagem de Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Com cerca de 44% da população brasileira inadimplente, as instituições financeiras buscam ferramentas para se proteger de futuros calotes. Uma delas é o score de crédito, que indica para o mercado se o consumidor é ou não um bom pagador.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Pesquisa

Taxa de desemprego no Brasil fica em 7,9%; índice é o menor em 10 anos

Imagem de destaque
Placas 1 e 2 nesta sexta

Prazo para pagamento da última parcela do IPVA 2024 para placas 3 e 4 vence nesta segunda

Imagem de destaque
Aguarda homologação

Polishop pede recuperação judicial e declara R$ 352 milhões em dívidas

Imagem de destaque
Saiba mais

Restituição do Imposto de Renda 2024 tem nova ordem de prioridade

Todos os consumidores com mais de 18 anos e um CPF válido têm uma nota e ela vai influenciar diretamente a decisão das empresas na hora se fornecer o crédito.

Publicidade


O QUE É O SCORE DE CRÉDITO?


O score é uma pontuação ou nota que o consumidor recebe dos cinco birôs de crédito, autorizados pelo Banco Central: Serasa, SPC Brasil, Boa Vista, Quod e TransUnion.

Publicidade


A pontuação é feita com base em cálculos estatísticos e informações fornecidas pelo BC, que indicam a capacidade de o consumidor manter as contas em dia.


COMO É FEITO O CÁLCULO DO SCORE?

Publicidade


No cálculo, são consideradas a fatura do cartão de crédito, as contas de serviços como água, luz, gás e telefone, além dos empréstimos e financiamentos bancários nos últimos 12 meses. Quanto maior a capacidade, maior será a nota do consumidor. Contas pagas com dinheiro não são consideradas.


Cada uma das empresas gestora tem sua própria fórmula para calcular a nota. São usadas informações do Cadastro Positivo, Registro de Dívidas e Pendências (para saber se o consumidor tem o nome negativado), consultas de empresas ao CPF e a evolução financeira do consumidor.

Publicidade


O maior peso na conta, mais de 30%, é o das dívidas pagas ou pendentes.


COMO O SCORE É USADO NO EMPRÉSTIMO?

Publicidade


Ao olhar a pontuação, o mercado entende qual nível de risco terá ao conceder crédito àquele determinado cliente. Vale lembrar que as taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras consideram também o risco do não pagamento.


Quanto maior esse risco, mais altos os juros. A instituição pode até negar o financiamento, se o score for muito ruim. O score não é a única ferramenta usada pelas instituições, mas é uma das mais importantes.
Desde agosto de 2023, quando foi lançada a versão Score 3.0 da Serasa, os próprios consumidores podem compartilhar seus dados e ajudar na construção do seu perfil financeiro.

Publicidade


Informações como saldo de investimentos de um correntista histórico do cheque especial podem sem enviadas pelo correntista para a gestora, o que pode melhorar a pontuação.


Imagem
Vinicius, do BBB 24, sofre acidente e ajuda a tirar vítimas das ferragens na PR-444 em Arapongas
O atleta paralímpico e ex-participante do BBB 24 Vinicius Rodrigues sofreu um acidente na madrugada desta segunda-feira (8) no momento em que partia de Maringá para Londrina


CUIDADO COM FRAUDES E GOLPES


A gerente da Serasa Experian, Amanda Castro, diz que os consumidores precisam estar atentos aos serviços relacionados ao score oferecidos por empresas desconhecidas, especialmente, aquelas que prometem melhorar sua pontuação. Não tem como pagar para obter uma nota melhor, por exemplo.
"Ofereceu qualquer serviço com: clique aqui para melhorar seu score? Já acende o alerta. As instituições credenciadas, normalmente, não oferecem esse tipo de serviço." diz Castro.


Especialistas orientam que o consumidor acompanhe seu score sempre que possível. "Ele precisa estar atento ao que acontece em sua vida financeira. De vez em quando, espiar lá para saber qual é o seu score. Se ele se elevou, o motivo da baixa ou elevação, etc. Precisa monitorar para não ser surpreendido", diz a advogada Marli Sampaio.


COMO CONSULTAR O SCORE DE CRÉDITO?


Para consultar seu score, o consumidor pode entrar no site de uma das empresas credenciadas pelo Banco Central. A lei complementar 166 de 2019 prevê o cadastro automático, sem autorização prévia, de pessoas físicas e jurídicas.


O consumidor que não quiser o cadastro pode pedir a retirada nos canais de comunicação em um dos gestores de crédito.


De acordo com Sampaio, o problema é que o cancelamento de cadastro inviabiliza o uso das informações do histórico de crédito pelos gestores, inclusive para a composição de nota ou pontuação de crédito. Isso pode significar para o consumidor a perda de uma chance de obter um score mais elevado.


A consulta ao score foi autorizada a partir de uma regulamentação da lei 12.414, aprovada em julho de 2019, e começou a ser utilizada pelos birôs autorizados pelo Banco Central em janeiro de 2020.


COMO MELHORAR SEU SCORE?


- Pagar contas em dia (pagar com antecedência não muda nada, mas, se pagar um dia dia depois já conta como atraso)
- Procure pagar a fatura inteira do cartão de crédito
- Evite consultas constantes pelo CPF, pois elas indicam busca por crédito e podem atrapalhar o score
- Renegocie dívidas em atraso o mais rápido possível
- Evite habilitar novos cartões de credito
- Evite a negativação de seu nome em qualquer circunstância


INSTITUIÇÕES AUTORIZADAS PELO BANCO CENTRAL QUE CALCULAM O SCORE:


- Serasa
- SPC Brasil
- Boa Vista
- QUOD
- TransUnion Brasil


PONTUAÇÃO DOS PRINCIPAIS BIRÔS DE CRÉDITO:


Serasa
- De 0 a 300: Baixo
- De 300 a 500: Regular
- De 500 a 700: Bom
- De 700 a 1.000: Excelente


SPC Brasil
- De 400 a 599: Ruim
- Acima de 600: Bom
- A partir de 800: Ótimo


Boa Vista SCP
- Até 300: Baixo
- De 300 a 700: Regular
- De 700 a 1.000: Alto


Imagem
Paraná: venda de carros elétricos cresce 123% nos três primeiros meses de 2024
O número de carros elétricos vendidos no Paraná cresceu 123% no primeiro trimestre de 2024, em relação ao mesmo período do ano passado.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade