Pesquisar

Canais

Serviços

Larin Rodrigues foi encontrada morta aos 22 anos na estrada rural do bairro Água Branca, em Bandeirantes - Reprodução/Facebook
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Entenda

Defesa descarta pedir liberdade de acusado de matar namorada grávida em Bandeirantes

Vitor Struck/Grupo FOLHA
24 nov 2021 às 09:50
Continua depois da publicidade

Embora tenha negado ser autor da morte da ex-namorada Larin Kathleen Oliveira da Silva, 22, o principal suspeito do crime, Fernando Amaro de Oliveira, 24, não pediu à Justiça para aguardar o desenrolar das investigações em liberdade. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


De acordo com a defesa, o objetivo é resguardar a segurança dele, segundo o advogado que defende o acusado, Odair Buzato.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Para a Polícia Civil de Bandeirantes (Norte Pioneiro), cidade onde ocorreu o crime, existiram indícios suficientes para a expedição do pedido de prisão. 


O suspeito foi preso no dia 17 de novembro e chegou a ser alvo de uma tentativa de linchamento durante uma manifestação de amigos, familiares e conhecidos da vítima. 


Conforme apurou a FOLHA na tarde desta terça-feira (23), a Polícia Civil de Bandeirantes ainda aguarda a conclusão do exame de corpo de delito na vítima, cujo corpo foi encontrado na noite do dia 15 de novembro em estado avançado de decomposição. O corpo foi encontrado em uma estrada rural no bairro Água Branca três dias depois do desaparecimento. Além de ter sido localizado com um ferimento causado por um disparo na cabeça, a jovem teve o abdômen aberto e o feto, retirado.

Continua depois da publicidade


No entanto, familiares da jovem Larin Kathleen Oliveira da Silva disseram que o ex-namorado não havia encarado bem a notícia de que ela estava grávida. De acordo com eles, Larin estaria pedindo que a jovem interrompesse a gravidez. Fernando Amaro teria até adquirido remédios abortivos. 


O advogado Odair Buzato preferiu não comentar detalhes sobre o caso. "Popularmente ele foi condenado, mas é preciso aguardar os laudos", concluiu.


Leia mais na Folha de Londrina.

Continue lendo