Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Pressão dos parlamentares

Governo recua, cede ao centrão e aceita cumprir calendário para pagar emendas

Renato Machado e Thiago Resende - Folhapress
22 fev 2024 às 17:20
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta quinta-feira (22) que o governo federal fechou um acordo com parlamentares e vai elaborar um calendário para o pagamento das emendas parlamentares.


O anúncio acontece em meio à pressão do centrão, que vem aumentando desde o veto do presidente Lula (PT) a esse dispositivo na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentários). Também acontece às vésperas de encontro do mandatário com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e líderes de bancada.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O ministro deu entrevista a jornalistas após ter se reunido com integrantes da CMO (Comissão Mista do Orçamento) e lideranças do governo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Após caso envolvendo escritora

Ataque de pitbulls: especialista defende que a questão é educar humanos

Imagem de destaque
Campeonato Brasileiro

Jogadoras protestam contra volta de técnico acusado de assédio ao Santos

Imagem de destaque
"Efeitos econômicos diretos"

Prefeitura do Rio divulga estudo para justificar aporte de R$ 10 milhões no show de Madonna

Imagem de destaque
Crime investigado pela PF

Barco à deriva é encontrado com corpos no Pará


Padilha afirma que o veto será mantido oficialmente, porque há a avaliação de que a sua derrubada iria ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal. No entanto, o governo fechou um acordo com esses parlamentares para que o cronograma de emendas impositivas, que são as individuais e de bancada, sejam pagas até o limite das vedações eleitorais -por conta das eleições municipais.

Publicidade


"Vocês sabem que a Lei de Diretrizes Orçamentárias tinha proposta de cronograma de acelerar a execução no primeiro semestre dos recursos de repasses fundo a fundo da saúde e assistência social, do SUS [Sistema Único de Saúde] e do SUAS [Sistema Único de Assistência Social]. O governo tem concordância em acelerar essa execução. Teve um veto por conta de uma coisa que havíamos anunciado, que é a Lei de Responsabilidade Fiscal", afirmou o ministro.


Padilha acrescenta que o cálculo inicial prevê que essas emendas liberadas até 30 de junho somam um total de R$ 14,5 bilhões.

Publicidade


"E reafirmamos para os membros da CMO que o governo vai construir um cronograma de execução das emendas ao longo do ano como a gente sempre faz e que quer estabelecer a prioridade absoluta do empenho e pagamento desses valores da saúde e assistência social, fruto de emendas individuais ou de bancada, no calendário eleitoral para que permita os repasses desses recursos até a data limite da vedação eleitoral, que é o dia 30 de junho", completou.


A verba a ser repassada deve ser para custeio na área de saúde, educação e assistência social é, geralmente, menos burocrática que obras e grandes projetos. Por isso, costuma ser liberada antes de outros recursos.

Publicidade


O relator da LDO, Danilo Forte (União - CE), que estava ao lado do ministro, no anúncio, diz que o acordo anunciado por Padilha representa "uma vitória para o Congresso", pois prevê que esses recursos cheguem aos municípios ainda no primeiro semestre. Segundo ele, a proposta anunciada pelo ministro é a mesma que foi aprovada pelos parlamentares no projeto da LDO e, no final, vetada por Lula.


O governo Lula vem enfrentando grande pressão do Congresso e um dos motivos é o veto ao calendário do pagamento das emendas. Esse cronograma é uma peça importante neste ano, por causa das eleições municipais. As emendas são o principal mecanismo pelo qual os parlamentares destinam recursos para os seus redutos eleitorais.

Publicidade


O anúncio acontece horas antes de um encontro do presidente Lula com Lira e lideranças da Câmara no Palácio do Planalto. O mandatário decidiu se engajar mais na articulação política, após uma série de críticas de parlamentares a Padilha, por conta de compromissos que não teriam sido cumpridos.


Padilha também anunciou um encontro no dia 7 de março para discutir os vetos de Lula à LDO, antes de que sejam votados pelo Congresso Nacional.


"Estamos tirando uma decisão de no dia 7 de março, esse mesmo grupo, SRI, Planejamento, Casa Civil e Fazenda, reunirmos com essa composição da CMO para tratarmos desses vetos da LDO, quais que podem ser modificados, se tem que modificar alguma parte do texto, se tem concordância e esclarecimento com ele", afirmou Padilha.


"[Isso para que] esses problemas possam ser resolvidos para quando tiver a sessão do Congresso você eventualmente ter uma cordo sobre como tratar esses vetos ou, eventualmente, se precisar, for necessário uma reformulação do texto, ou uma regulamentação por decreto, que a gente possa tratar isso", completa.


Imagem
Lixo e mato alto tomam conta das ruas na Vila Brasil em Londrina
Em meio a uma situação alarmante de dengue em Londrina, moradores da Vila Brasil, região central, cobram ações da prefeitura em relação ao mato alto e ao lixo encontrado pelas ruas do bairro. Embalagens de marmitas de isopor, copos plásticos e outros.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade