Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Ele pediu ajuda pelo Instagram

Após três dias sem notícia, moradora de Londrina consegue contato com irmão em abrigo no RS

Luís Fernando Wiltemburg - Redação Bonde
10 mai 2024 às 20:26
Os irmãos Gregório (esq.), Élio (centro) e Custódia em um fim de ano em Criciúma (SC)
Os irmãos Gregório (esq.), Élio (centro) e Custódia em um fim de ano em Criciúma (SC) - Arquivo pessoal
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Moradora de Londrina há mais de 50 anos, a aposentada Custódia Hersílio Pelizza teve o coração tranquilizado nesta sexta-feira (10) ao conseguir conversar com seu irmão Élio Hersílio Gregório, que teve a casa inundada em Porto Alegre (RS) e está alojado em um abrigo improvisado em uma escola da capital gaúcha.


Há três dias, sem acesso a telefones celulares, Élio não conseguia contato com Custódia para dizer que, apesar do desastre ambiental que assola quase 90% das cidades gaúchas, ele estava bem, na companhia dos cachorros Bob e Pitty. Na madrugada desta sexta, a conta do Instagram @rspedeajuda anunciou em seus stories (publicações temporárias da rede social) que ele tentava contato com a irmã, em Londrina. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade



Os dois irmãos conseguiam conversar por chamada de vídeo na tarde desta sexta, com o intermédio da reportagem da Ric TV Londrina. “Ele me disse que está tudo bem, que está sendo bem tratado lá [no abrigo] e que é para eu ficar tranquila, que ele só queria me ver. Ele sabia que eu estava preocupada com ele, mas que, graças a Deus, ele está bem”, conta Custódia.

Leia mais:

Imagem de destaque
Aberto para a comunidade externa

OSUEL se apresenta no RU em comemoração ao aniversário da Rádio UEL

Imagem de destaque
Quermesse

Em Londrina, Santuário da Vila Nova realiza missas sertanejas neste final de semana

Imagem de destaque
Pelo TCE-PR

Licitação para instalação de semáforos em Londrina continua suspensa

Imagem de destaque
Evento gratuito

Feira da Concha terá show da dupla Doces Trópicos nesta terça-feira


Élio e Custódia são catarinenses, mas, mudaram-se de lá ainda jovens. Aos 18 anos, Élio, hoje com 88 anos, foi para a capital gaúcha em busca de trabalho. Casou-se e fez a vida por lá. Ele não teve filhos e ficou viúvo há cerca de dois anos. 

Publicidade


Irmã mais nova, Custódia mudou-se para o norte do Paraná aos 19 anos, após casar-se. “Nós éramos em mais irmãos, mas, hoje, somos só nós dois e mais um, que mora em Criciúma (SC)”, diz.


Os irmãos Gregório (esq.), Élio (centro) e Custódia em um fim de ano em Criciúma (SC)

Os irmãos Gregório (esq.), Élio (centro) e Custódia em um fim de ano em Criciúma (SC) (Foto: Arquivo pessoal)

Publicidade


Segundo a irmã, Élio morava em uma casa no bairro Navegantes, próximo ao centro de Porto Alegre, uma das regiões mais afetadas devido à cheia do Rio Guaíba, que chegou a cinco metros acima do nível normal.


Custódia afirma que costumava ligar para o irmão toda semana para saber como ele estava. “A gente estava sempre se comunicando. No começo do ano, estive umas três vezes com ele em Porto Alegre. Agora, a moça do abrigo forneceu o telefone dela para eu conseguir falar com ele, até resolver a situação. Depois, vou para lá para ajudá-lo a voltar para casa”, planeja.

Publicidade


E ele viria para Londrina? “Ele não quer sair de lá. Pssou a vida inteira em Porto Alegre, já está acostumado. Se a gente soubesse que ia acontecer essas coisas [enchentes], teríamos tirado ele de lá, mas, para a gente, é imprevisível [o desastre ambiental]”, conclui.


Mortos, desaparecidos e desabrigados

Publicidade


Conforme os dados da Defesa Civil do Rio Grande do Sul informados pela Agência Brasil, o menos 116 pessoas perderam a vida e outras 143 estão desaparecidas em consequência das fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul desde o último dia 26, que se intensificaram no dia 29.


Até o meio-dia de hoje (10), a Defesa Civil estadual contabilizava cerca de 1,9 milhão de pessoas de alguma foram afetadas, em 437 cidades, por efeitos adversos das chuvas, como inundações, alagamentos, enxurradas, deslizamentos, desmoronamentos e outros.


Em todo o estado, ao menos 337.346 pessoas desalojadas tiveram que, em algum momento, buscar abrigo nas residências de familiares ou amigos – muitas destas seguem aguardando que o nível das águas baixe para poderem retornar a suas casas. Outras 70.772 pessoas ficaram desabrigadas, ou seja, sem ter para onde ir, precisaram se refugiar em abrigos públicos ou de instituições assistenciais.

(Com Agência Brasil)


Imagem
Homem acolhido em abrigo em Porto Alegre procura irmã que mora em Londrina
Morador de Porto Alegre, capital gaúcha destruída pelas enchentes que assolam o Rio Grande do Sul, Élio Hersílio Greg&oacu
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade