Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Liderança de relatos

Brincadeira com laser põe em risco voos em Londrina

Redação Bonde
06 jun 2012 às 17:20
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O que para alguns é uma brincadeira, apontar raios laser para a cabine de aeronaves é um risco para a aviação: a luz intensa pode ofuscar a visão dos pilotos e até contribuir para que ocorram acidentes. Em 2012, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) disponibilizou um formulário on-line para registro de ocorrências e, em apenas cinco meses, o número de relatos dobrou em relação a 2011. Até o dia 4 de junho, 670 casos já foram registrados, contra 250 do ano anterior.

Os aeroportos com maior número de ocorrências são os de Londrina (55 casos), Vitória (44), Brasília (42) e Campinas (41). Mas os casos ocorrem em todas as regiões: até agora, o único Estado sem casos é Sergipe. "O que se vê hoje é a facilidade de aquisição deste artefato. Por isso, no Brasil, nos últimos três anos, houve aumento do número de relatos", afirma o Major-Aviador Márcio Vieira de Mattos, da Divisão de Aviação Civil do CENIPA.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


As consequências da utilização do raio laser podem ser danosas, conforme alerta o Major Mattos. "A probabilidade de se derrubar um avião com equipamento de emissão de laser é baixa, mas não pode ser descartada, uma vez que nós temos na frota nacional aeronaves que voam com apenas um piloto. Quando atingido diretamente nos olhos, o comandante do avião pode ter dificuldade de interpretar os instrumentos, cegueira momentânea e a formação de imagens falsas, que numa situação de decolagem ou pouso pode ser crítica. Nós temos que trabalhar em termos de prevenção", afirma o oficial do CENIPA.

Leia mais:

Imagem de destaque
Evento gratuito

SoundKombi é a atração desta sexta na Concha Acústica em Londrina

Imagem de destaque
46 mil alunos

Aulas na rede municipal retomam nesta terça em Londrina

Imagem de destaque
Na avenida São João

Prédio da antiga creche Santa Rita será reaberto com nova instituição em Londrina

Imagem de destaque
Crítica

“Twisters”, que estreia nos cinemas: a relevância do drama


Os relatos de ocorrências com laser não são recentes e tampouco exclusividade nos céus brasileiros. Há reportes de casos no Canadá, Reino Unido, Espanha e Estados Unidos. O primeiro caso relatado ocorreu em Los Angeles, no ano de 1993. O comandante de um Boeing 737 foi atingido e obrigado a passar o controle dos comandos da aeronave para o co-piloto. Ele ficou quatro minutos sem conseguir interpretar os instrumentos.

Além de perigoso, apontar laser para aviões e helicópteros também é crime. O artigo 261 do Código Penal Brasileiro prevê sanções para quem expor a perigo ou praticar qualquer ato que possa impedir ou dificultar navegação aérea. Já existe, também, um projeto de lei (PL 3151/12) para punir quem usar de forma indevida as canetas de raio laser. (com informações do CENIPA)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade